Pesquisar este blog

Compartilhe



segunda-feira, 30 de setembro de 2013

São Jerônimo

Neste último dia do mês da Bíblia, celebramos a memória do grande “tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras”: São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja. Ele nasceu na Dalmácia em 340, e ficou conhecido como escritor, filósofo, teólogo, retórico, gramático, dialético, historiador, exegeta e doutor da Igreja. É de São Jerônimo a célebre frase: “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo”.
Com posse da herança dos pais, foi realizar sua vocação de ardoroso estudioso em Roma. Estando na “Cidade Eterna”, Jerônimo aproveitou para visitar as Catacumbas, onde contemplava as capelas e se esforçava para decifrar os escritos nos túmulos dos mártires. Nessa cidade, ele teve um sonho que foi determinante para sua conversão: neste sonho, ele se apresentava como cristão e era repreendido pelo próprio Cristo por estar faltando com a verdade (pois ainda não havia abraçado as Sagradas Escrituras, mas somente escritos pagãos). No fim da permanência em Roma, ele foi batizado.
Após isso, iniciou os estudos teológicos e decidiu lançar-se numa peregrinação à Terra Santa, mas uma prolongada doença obrigou-o a permanecer em Antioquia. Enfastiado do mundo e desejoso de quietude e penitência, retirou-se para o deserto de Cálcida, com o propósito de seguir na vida eremítica. Ordenado sacerdote em 379, retirou-se para estudar, a fim de responder com a ajuda da literatura às necessidades da época. Tendo estudado as línguas originais para melhor compreender as Escrituras, Jerônimo pôde, a pedido do Papa Dâmaso, traduzir com precisão a Bíblia para o latim (língua oficial da Igreja na época). Esta tradução recebeu o nome de Vulgata. Assim, com alegria, dedicação sem igual e prazer se empenhou para enriquecer a Igreja universal.
Saiu de Roma e foi viver definitivamente em Belém no ano de 386, onde permaneceu como monge penitente e estudioso, continuando as traduções bíblicas, até falecer em 420, aos 30 de setembro com, praticamente, 80 anos de idade. A Igreja declarou-o padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia e fixou o “Dia da Bíblia” no mês do seu aniversário de morte, ou ainda, dia da posse da grande promessa bíblica: a Vida Eterna.
São Jerônimo, rogai por nós!

domingo, 29 de setembro de 2013

Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael

Com alegria, comemoramos a festa de três Arcanjos neste dia: Miguel, Gabriel e Rafael. A Igreja Católica, guiada pelo Espírito Santo, herdou do Antigo Testamento a devoção a estes amigos, protetores e intercessores que do Céu vêm em nosso socorro pois, como São Paulo, vivemos num constante bom combate. A palavra “Arcanjo” significa “Anjo principal”. E a palavra “Anjo”, por sua vez, significa “mensageiro”.
São Miguel
O nome do Arcanjo Miguel possui um revelador significado em hebraico:“Quem como Deus”. Segundo a Bíblia, ele é um dos sete espíritos assistentes ao Trono do Altíssimo, portanto, um dos grandes príncipes do Céu e ministro de Deus. No Antigo Testamento o profeta Daniel chama São Miguel de príncipe protetor dos judeus, enquanto que, no Novo Testamento ele é o protetor dos filhos de Deus e de sua Igreja, já que até a segunda vinda do Senhor estaremos em luta espiritual contra os vencidos, que querem nos fazer perdedores também. “Houve então um combate no Céu: Miguel e seus anjos combateram contra o dragão. Também o dragão combateu, junto com seus anjos, mas não conseguiu vencer e não se encontrou mais lugar para eles no Céu”. (Apocalipse 12,7-8)
São Gabriel
O nome deste Arcanjo, citado duas vezes nas profecias de Daniel, significa “Força de Deus” ou “Deus é a minha proteção”. É muito conhecido devido a sua singular missão de mensageiro, uma vez que foi ele quem anunciou o nascimento de João Batista e, principalmente, anunciou o maior fato histórico: “No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré… O anjo veio à presença de Maria e disse-lhe: ‘Alegra-te, ó tu que tens o favor de Deus’…” a partir daí, São Lucas narra no primeiro capítulo do seu Evangelho como se deu a Encarnação.
São Rafael
Um dos sete espíritos que assistem ao Trono de Deus. Rafael aparece no Antigo Testamento no livro de Tobit. Este arcanjo de nome “Deus curou” ou “Medicina de Deus”, restituiu à vista do piedoso Tobit e nos demonstra que a sua presença, bem como a de Miguel e Gabriel, é discreta, porém, amiga e importante. “Tobias foi à procura de alguém que o pudesse acompanhar e conhecesse bem o caminho. Ao sair, encontrou o anjo Rafael, em pé diante dele, mas não suspeitou que fosse um anjo de Deus” (Tob 5,4).
São Miguel, São Gabriel e São Rafael, rogai por nós!

sábado, 28 de setembro de 2013

Te peguei no flagra comendo doce de Cosme e Damião!

cosme_damiao_doces
Todos os anos, no dia 27 de setembro, em diversas regiões do Brasil há uma farta distribuição de um saquinho quase irresistível, recheado com doces de Cosme e Damião. Quem nunca comeu não foi criança, ou então é daqueles protestantes que veem capeta, capeta everywhere. Mas quem é católico não precisa ter grilo com essas coisas!
Alguém aí já viu alguém “recebendo santo” ou entoando hits da Clara Nunes após comer uma maria-mole do saquinho de Cosme e Damião? Eu, nunca.
É bem verdade que a tradição de distribuir docinhos em homenagem aos santos nada tem a ver com o catolicismo, sendo originada na Umbanda. Nessa religião, pelo sincretismo, São Cosme e São Damião formam um trio com Doum: são entidades infantis. Daí a distribuição de guloseimas, para agradar os pequenos. Já no catolicismo, Doum não existe, e São Cosme e Damião nada tinham de crianças: eram irmãos gêmeos, médicos e mártires.
“Deurrrrmilive de comer os doces desses ídolos!”, alguns dizem. Porém, São Paulo desmistifica isso em uma de suas cartas aos Coríntios. Naquela comunidade, os cristãos estavam confusos: seria pecado ou não comer carnes que foram sacrificadas em altares de deuses pagãos? A situação era complicada, pois boa parte da carne vendida nos mercados havia sido antes ofertada aos ídolos, assim como a refeição oferecida na casa de um amigo pagão.
São Paulo respondeu que comer essas carnes não fazia nem bem nem mal. Tanto fez quanto tanto faz, pois os ídolos não são NADA! O mesmo pode-se dizer dos doces de Cosme e Damião: não trazem em si nenhum bem nem mal; não há neles nenhuma “mágica” benéfica ou maldição. Portanto, tanto faz comê-los ou não!
inferno_doce
Mas São Paulo bem sabia que nem todos os cristãos tinham o mesmo nível de conhecimento. Por isso, pediu que os cristãos mais esclarecidos evitassem comer carnes ofertadas aos ídolos, para não dar a impressão aos menos esclarecidos de que estavam praticando idolatria (o que de fato não estavam). Entendam: a carne em si nada tinha de mal, o mal estava na cabeça dos outros!
Esse conselho não se aplica aos doces de Cosme e Damião, pois quem os come, em 99% das vezes, nem mesmo pensa em religiosidade. Igualmente, um menino que brinca com um boneco do Thor não está idolatrando uma divindade viking. Outro dado relevante: boa parte das pessoas que dão doces de Cosme e Damião não têm o menor contato com religiões afro! Isso já é parte da cultura brasileira, independente de religião.
Assim, quem come doce de Cosme e Damião com a consciência de que são só doces, e ídolos não existem, não peca. Mas o católico que come esses doces pensando que neles há algum tipo de “magia”, esse peca.
Outro exemplo: quem veste branco nas comemorações do Ano-Novo pensando que isso vai lhe trazer coisas boas, esse peca. Mas quem veste branco pra entrar no clima da festa, pra seguir a tradição, esse não peca. O pecado não está nas coisas nem no ato, mas na consciência com que fazemos as coisas!
O mesmo não se pode aplicar ao ato de jogar flores para Iemanjá: é um ato explícito de homenagem. Ainda que a pessoa não creia no orixá, está sinalizando a todos à sua volta que crê, afinal, ninguém joga flores ao nada – joga para “alguém”. Nesse caso, a tradição cultural não exclui o pecado de idolatria.
Agora, misinfi, deem licença, que eu vou comer mais um doce do meu saquinho…
buzz_capeta
- See more at: http://ocatequista.com.br/archives/10959#sthash.giKQizYH.dpuf

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

São Vicente de Paulo

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e espírito e amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mat 22,37.39).
Se não foi o lema da vida deste santo, viveu como se fosse. O santo de hoje, São Vicente de Paulo, nasceu na Aquitânia (França) em 1581. No seu tempo a França era uma potência, porém convivia com as crianças abandonadas, prostitutas, pobreza e ruínas causadas pelas revoluções e guerras.
Grande sacerdote, gerado numa família pobre e religiosa, ele não ficou de braços cruzados mas se deixou mover pelo espírito de amor. Como padre, trabalhou numa paróquia onde conviveu com as misérias materiais e morais; esta experiência lhe abriu para as obras da fé. Numa viagem foi preso e, com grande humildade, viveu na escravidão até converter seu patrão e conseguiu depois de dois anos sua liberdade.
A partir disso, São Vicente de Paulo iniciou a reforma do clero, obras assistenciais, luta contra o jansenismo que esfriava a fé do povo e estragava com seu rigorismo irracional. Fundou também a “Congregação da Missão” (lazaristas) e unido a Santa Luísa de Marillac, edificou as “Filhas da Caridade” (irmãs vicentinas).
Sabia muito bem tirar dos ricos para dar aos pobres, sem usar as forças dos braços, mas a força do coração. Morreu quase octogenário, a 27 de setembro de 1660.
São Vicente de Paulo, rogai por nós!

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Deus existe? por Albert Einstein

São Cosme e São Damião

Hoje, lembramos dois dos santos mais citados na Igreja: Cosme e Damião. Eram irmãos gêmeos, médicos de profissão e santos na vocação da vida. Viveram no Oriente e, desde jovens, eram habilidosos médicos. Com a conversão passaram a ser também missionários, ou seja, aproveitando a ciência com a confiança no poder da oração levavam a muitos a saúde do corpo e da alma.
Viveram na Ásia Menor, até que diante da perseguição de Diocleciano, no ano 300 da era cristã, foram presos pois eram considerados inimigos dos deuses e acusados de usar feitiçarias e meios diabólicos para disfarçar as curas. Tendo em vista esta acusação, a resposta deles era sempre:
“Nós curamos as doenças, em nome de Jesus Cristo e pelo Seu poder!”
Diante da insistência, quanto à adoração aos deuses, responderam: “Teus deuses não têm poder algum, nós adoramos o Criador do céu e da terra!”
Jamais abandonaram a fé e foram decapitados em 303. São considerados os padroeiros dos farmacêuticos, médicos e das faculdades de medicina.
São Cosme e São Damião, rogai por nós!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Novo bispo de Lorena fala sobre futura missão na diocese

André Alves
Da Redação


CNBB
Monsenhor Frei João Inácio Müller

"Neste momento, em que sou chamado para esta missão, soa forte este convite de pegar poucas coisas e rumar para a Diocese de Lorena, na certeza de que Deus está comigo". Foi o que afirmou o novo bispo diocesano de Lorena, interior de SP,Monsenhor Frei João Inácio Müller.

Acesse:

.: Papa aceita renúncia de Dom Beni e nomeia novo bispo para Lorena

Frei Müller revelou nesta quarta-feira, 25, durante uma participação ao vivo no Programa Sorrindo pra Vida na TV Canção Nova, que ainda está surpreso com a nomeação. No entanto, ressaltou seu profundo desejo de entregar-se a este serviço à Igreja dizendo: "Quero que meu espírito esteja nas mãos de Deus e nas mãos dessa nova missão".

Referindo-se ao atual Bispo de Lorena, Dom Benedito Beni dos Santos, Frei Müller destacou seu importante papel nesta nova etapa de sua vida. “Deixo meu abraço a Dom Beni. Sei que ele rezou para que o Espírito Santo iluminasse, a fim de que a pessoa certa fosse chamada pela Igreja, pelo Espírito, pelo Papa para esta missão".

O novo bispo, franciscano, fez questão de recordar alguns ensinamentos do Papa Francisco, referentes ao pastoreio que o bispo deve exercer junto às ovelhas. Segundo ele, as palavras do Santo Padre, trarão contribuições significativas para seu trabalho de pastor. É interessante recordarmos os últimos pronunciamentos do Papa Francisco. Acredito que ele tem muitas iluminações para nossas atividades pastorais e missionárias".

No final da entrevista, o novo bispo também saudou a todos os sacerdotes e consagrados da Diocese de Lorena, e das mais variadas formas de vida consagrada na Igreja local.

Sobre a sua ordenação episcopal e a celebração de posse, Frei Müller possibilitou realizar a sagração ainda antes do Natal, na cidade de Porto Alegre (RS), onde está atualmente. Já a posse como bispo de Lorena poderá ser realizada em janeiro de 2014. Mas as datas ainda serão confirmadas. 

A renúncia e a nomeação 

O Papa Francisco aceitou o pedido de renúncia do atual bispo de Lorena, Dom Benedito Beni, apresentado à Santa Sé em janeiro do ano passado. A nomeação do Monsenhor Frei João Inácio Müller foi efetivada nesta quarta-feira, 25, pelo Papa Francisco, em comunicado oficial do Vaticano.

Leia mais:


ONDE ESTÁ TEU CORAÇÃO AÍ ESTÁ TEU TESOURO

Conteúdo enviado pelo internauta Rodrigo Stankevicz

Vivemos na sociedade da urgência, há pressa para tudo, precisamos das coisas para “ontem”. Prazos para cumprir, metas a alcançar… Nada pode esperar. Além disso, nossa agenda está repleta, não há mais espaço para nenhum evento. Então, em meio a tantas atividades e urgências, surge uma pergunta interessante: Quais são nossas prioridades? Estamos sendo fiéis a nossos valores?

Jesus faz uma afirmação contundente logo após nos ensinar a rezar o Pai-Nosso: “Onde está teu coração aí está teu tesouro” (São Mateus 6, 21). Esta afirmativa vai nos ajudar a direcionar nossa vida em meio ao caos que vivemos. Aliás, vivemos ou existimos? Não à toa, Oscar Wilde refletia: “Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existem”.

Muitas vezes, na correria do dia a dia, esquecemos que somos humanos, que temos coração e sentimentos, e o mais importante, sequer lembramos que professamos uma fé. Por isso a afirmação de Jesus: “onde está teu coração aí está teu tesouro”.

Por diversas ocasiões, nosso coração pula de “galho em galho”, isso quando não cria asas e voa longe da base de nossas estruturas fundamentais. A urgência e as atividades cotidianas demasiadas são como que parapentes usados para nos desterrar e nos distanciar dos valores fundamentais. Quantas vezes, nos pegamos longe da confissão e da Eucaristia? Longe da intimidade com Deus e da oração diária? Quantas desculpas esfarrapadas inventamos para deixar de ir à Igreja? Isto demostra que nosso coração já alçou voo há muito tempo desses princípios de vida, tidos como indispensável desde a infância. Assim, a terra habitada por Jesus, em nosso coração, vai ganhando ídolos e mais ídolos. Um programa de TV é mais importante de que a oração de um terço; a partida de futebol se torna prioridade em vista do encontro de jovens na igreja; o video-game substituiu a leitura cristã; as noites de sexta-feira se tornaram rotina e trocamos a doce fragrância de Cristo pelo hálito de cerveja e bebidas alcoólicas. Tudo vai ganhando destaque em nossa vida, e Aquele que deu a vida por nós é colocado em segundo plano.

Corações restaurados

Deste modo, com o passar do tempo, nosso coração assemelha-se a uma caçamba de entulhos na calçada da esquina, nossa vida parece mais divertida, porém, ao mesmo tempo, parece sem sentido algum. Acabamos nos tornando pessoas amarguradas, duras, egoístas e individualistas, pois as ideologias contemporâneas varreram para fora da casa do nosso coração as Palavras de Vida Eterna de Cristo.

Quando sobra um tempinho, olhamos para dentro de nós e percebemos que nossa essência já foi por ralo abaixo há muito tempo, e só pensar em voltar já se torna algo impossível a nossos olhos, pois perdemos as referências, afastamo-nos dos modelos de vida que nos inspiravam. Tornou-se sonho a velha vontade de estar diante do sacrário, de modo que os pensamentos de Chesterton transformaram-se em uma grande utopia: “Um homem viveu, há séculos, no Oriente. E eu não posso olhar para uma ovelha, uma andorinha, um lírio, um campo de trigo, uma vinha, uma montanha, sem pensar n’Ele”. Jesus agora é um estranho, a Sua Palavra é fel e dura, politicamente incorreta.

Diante desta reflexão, quais respostas temos para nós mesmos? O que tem sido nossa prioridade? Sabemos quais são nossos tesouros fundamentais? Quais os valores que tem permeado nossas vidas? Enfim, creio que o ponto de partida de todas essas indagações seja a reflexão acerca da vida, das atitudes, de quanto estamos valorizando o que nos é caro, com a família, os relacionamentos, a vida comunitária, o olhar voltado para Deus. A partir disso, podemos fazer o exercício de, todos os dias, agradecer a Deus pela vida, rezar para que tenhamos objetivos claros em relação à vida em Deus. E lembrar que, antes da afirmativa de Jesus, Ele nos ensinou a rezar o Pai-Nosso. Aí está o ponto de partida perfeito: a oração!

@FilhodaIgreja

Confira outros artigos do autor:

Afeiçoai-vos às coisas lá de cima

A liberdade pela qual ansiamos

- See more at: http://destrave.cancaonova.com/onde-esta-teu-coracao-ai-esta-teu-tesouro/#sthash.A7lL4lwi.dpuf

Cardeal e jornalista debatem sociedade, comunicação e jornalismo


Rádio Vaticano


ANSA
Fundador do jornal italiano La Repubblica, Eugenio Scalfari e o Presidente do Pontifício Conselho para Cultura, Cardeal Gianfranco Ravasi

Foi realizado em Roma, nesta quarta-feira, 25, o ‘Pátio dos Gentios’ dedicado aos jornalistas. No centro do encontro, esteve o diálogo entre o Presidente do Pontifício Conselho da Cultura, Cardeal Gianfranco Ravasi e o fundador do jornal italiano ‘La Repubblica’, Eugenio Scalfari. O ‘Pátio dos Gentios’ é a estrutura criada por Bento XVI para promover o diálogo entre crentes e não-crentes. 

“Não estamos aqui para convertermo-nos mutuamente, mas temos em comum a convicção que as nossas posições diversas devam ser fermento para uma terra que tem necessidade de ser fertilizada”. Assim, Eugenio Scalfari concluiu seu diálogo com o Cardeal Ravasi, com o qual confessa ter, há muito tempo, um território espiritual e mental comum. 

O fundador do ‘La Reppublica’ havia aberto a conversação destacando ser ‘enamorado’ de Jesus desde que, na juventude, escolheu abandonar a fé. Recorda ter praticado, forçosamente, os Exercícios Espirituais na Casa do Sagrado Coração em Roma, onde encontrou refúgio como renitente à onda fascista. “Devo muito àqueles jesuítas que me ensinaram a raciocinar – confessa Scalfari – mas sou enamorado dos franciscanos”.

O intelectual não-crente explica assim o seu interesse pelo diálogo com os católicos e individua na morte de Cristo na cruz o ápice da encarnação e da mensagem cristã. É justo naquela escolha de colocar o amor pelos outros como anterior ao egoísmo, que Scalfari encontra a mensagem mais importante para uma sociedade onde “a taxa de narcisismo tornou-se patológica’”.

 

O Cardeal Ravasi, por sua vez, louva Scalfari pela intuição e responde descrevendo o grito de Cristo na Cruz – “meu Deus, porque me abandonaste? – como “o ateísmo salvífico de Cristo”, a quem – especifica ele – a teologia justapõe a Ressurreição enquanto Cristo permanece o Filho mesmo se não sente o Pai e assim “depõe na mortalidade a semente do infinito”.

O Presidente do Pontifício Conselho da Cultura retoma também o tema do papel da Igreja na revolução da comunicação da era digital. Recorda que Jesus nos Evangelhos, nos oferece um método quando utiliza a linguagem breve do ‘tweet’ de modo sistemático, o roteiro televisivo por meio das ‘parábolas’ e baseia na corporeidade o seu anúncio. “Se um pastor hoje não se interessa pela comunicação – observou – está fora do seu ministério”. 

Mas no ambiente da nova comunicação digital – explica o Cardeal Ravasi – a linguagem da Igreja deve ter uma “nova gramática”, mais direta, abandonando as “subordinadas”. E abrindo caminho para esta renovada e eficaz presença da Igreja no mundo atual, estão justamente as cartas do Papa Francisco e do Papa Emérito Bento XVI escritas ao Jornal ‘La Reppublica’, e a entrevista do Papa Francisco à revista dos jesuítas “La Civiltá Cattolica”

Bento XVI escreve ao matemático ateu: ''Caro Odifreddi, vou lhe contar quem foi Jesus''

"Ilustríssimo Senhor Professor, a minha crítica ao seu livro, em parte, é dura. Mas a franqueza faz parte do diálogo; só assim o conhecimento pode crescer. O senhor foi muito franco e, assim, aceitará que eu também o seja."

O papa emérito Bento XVI escreve uma carta ao matemático ateu italiano Piergiorgio Odifreddi sobre a fé, a ciência, o mal. Um diálogo à distância sobre o livro Caro papa, ti scrivo, de autoria de Odifreddi. O cientista, por sua vez, relatou emoção e surpresa ao receber em sua casa a "inesperada carta" do ex-pontífice.

A carta foi publicada no jornal La Repubblica, 24-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A íntegra da carta será publicada no próximo livro do matemático italiano. O jornal italiano publica uma parte da carta que pode ser lida a seguir.

Eis o texto.

Ilustríssimo Senhor Professor Odifreddi, (...) gostaria de lhe agradecer por ter tentado até o último detalhe se confrontar com o meu livro e, assim, com a minha fé; é exatamente isso, em grande parte, que eu havia intencionado com o meu discurso à Cúria Romana por ocasião do Natal de 2009. Devo agradecer também pelo modo leal como tratou o meu texto, buscando sinceramente prestar-lhe justiça.

O meu julgamento acerca do seu livro, no seu conjunto, porém, é em si mesmo bastante contrastante. Eu li algumas partes dele com prazer e proveito. Em outras partes, ao invés, me admirei com uma certa agressividade e com a imprudência da argumentação. (...)

Várias vezes, o senhor me aponta que a teologia seria ficção científica. A esse respeito, eu me admiro que o senhor, no entanto, considere o meu livro digno de uma discussão tão detalhada. Permita-me propor quatro pontos a respeito de tal questão:

1. É correto afirmar que "ciência", no sentido mais estrito da palavra, só a matemática o é, enquanto eu aprendi com o senhor que, mesmo aqui, seria preciso distinguir ainda entre a aritmética e a geometria. Em todas as matérias específicas, a cientificidade, a cada vez, tem a sua própria forma, segundo a particularidade do seu objeto. O essencial é que ela aplique um método verificável, exclua a arbitrariedade e garanta a racionalidade nas respectivas modalidades diferentes.

2. O senhor deveria ao menos reconhecer que, no âmbito histórico e no do pensamento filosófico, a teologia produziu resultados duradouros.

3. Uma função importante da teologia é a de manter a religião ligada à razão, e a razão, à religião. Ambas as funções são de essencial importância para a humanidade. No meu diálogo com Habermas, mostrei que existem patologias da religião e – não menos perigosas – patologias da razão. Ambas precisam uma da outra, e mantê-las continuamente conectadas é uma importante tarefa da teologia.

4. A ficção científica existe, por outro lado, no âmbito de muitas ciências. Eu designaria o que o senhor expõe sobre as teorias acerca do início e do fim do mundo em HeisenbergSchrödinger, etc., como ficção científica no bom sentido: são visões e antecipações para chegar a um verdadeiro conhecimento, mas são, justamente, apenas imaginações com as quais tentamos nos aproximar da realidade. Além disso, existe a ficção científica em grande estilo, exatamente dentro da teoria da evolução também. O gene egoísta de Richard Dawkins é um exemplo clássico de ficção científica. O grande Jacques Monod escreveu frases que ele mesmo deve ter inserido na sua obra seguramente apenas como ficção científica. Cito: "O surgimento dos vertebrados tetrápodes (...) justamente tem sua origem do fato de que um peixe primitivo 'escolheu' ir a explorar a terra, sobre a qual, porém, ele era incapaz de se deslocar, exceto saltitando desajeitadamente e criando, assim, como consequência de uma modificação do comportamento, a pressão seletiva graças à qual se desenvolveriam os membros robustos dos tetrápodes. Entre os descendentes desse audaz explorador, desse Magellan da evolução, alguns podem correr a uma velocidade de 70 quilômetros por hora..." (citado segundo a edição italiana de Il caso e la necessità, Milão, 2001, p. 117ss.).

Em todas as temáticas discutidas até agora, trata-se de um diálogo sério, para o qual eu – como já disse repetidamente – sou grato. As coisas são diferentes no capítulo sobre o sacerdote e a moral católica, e ainda diferentes nos capítulos sobre Jesus. Quanto ao que o senhor diz sobre o abuso moral de menores por parte de sacerdotes, eu só posso reconhecer – como o senhor sabe – com profunda consternação. Eu nunca tentei mascarar essas coisas. O fato de que o poder do mal penetra a tal ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, devemos suportar, enquanto, por outro, devemos, ao mesmo tempo, fazer todo o possível para que casos desse tipo não se repitam. Também não é motivo de conforto saber que, segundo as pesquisas dos sociólogos, a porcentagem dos sacerdotes réus desses crimes não é mais alta do que a presente em outras categorias profissionais semelhantes. Em todo caso, não se deveria apresentar ostensivamente esse desvio como se se tratasse de uma imundície específica do catolicismo.

Se não é lícito calar sobre o mal na Igreja, também não se deve silenciar, porém, sobre o grande rastro luminoso de bondade e de pureza, que a fé cristã traçou ao longo dos séculos. É preciso lembrar as figuras grandes e puras que a fé produziu – de Bento de Núrsia e a sua irmã EscolásticaFrancisco Clara de AssisTeresa de Ávila e João da Cruz, aos grandes santos da caridade como Vicente de Paulo e Camilo de Lellis, até a Madre Teresa de Calcutá e as grandes e nobres figuras da Turim do século XIX. Também é verdade hoje que a fé leva muitas pessoas ao amor desinteressado, ao serviço pelos outros, à sinceridade e à justiça. (...)

O que o senhor diz sobre a figura de Jesus não é digno do seu nível científico. Se o senhor põe a questão como se, no fundo, não soubesse nada de Jesus e como se d'Ele, como figura histórica, nada fosse verificável, então eu só posso lhe convidar de modo decidido a tornar-se um pouco mais competente do ponto de vista histórico. Recomendo-lhe, para isso, sobretudo os quatro volumes que Martin Hengel (exegeta da Faculdade de Teologia Protestante de Tübingen) publicou juntamente com Maria Schwemer: é um exemplo excelente de precisão histórica e de amplíssima informação histórica. Diante disso, o que o senhor diz sobre Jesus é um falar imprudente que não deveria repetir. O fato de que na exegese também foram escritas muitas coisas de escassa seriedade é, infelizmente, um fato indiscutível. O seminário norte-americano sobre Jesus que o senhor cita nas páginas 105ss. só confirma mais uma vez o que Albert Schweitzerhavia notado a respeito da Leben-Jesu-Forschung (Pesquisa sobre a vida de Jesus), isto é, que o chamado "Jesus histórico" é, em grande parte, o espelho das ideias dos autores. Tais formas mal sucedidas de trabalho histórico, porém, não comprometem, de fato, a importância da pesquisa histórica séria, que nos levou a conhecimentos verdadeiros e seguros sobre o anúncio e a figura de Jesus.

(...) Além disso, devo rejeitar com força a sua afirmação (p. 126) segundo a qual eu teria apresentado a exegese histórico-crítica como um instrumento do anticristo. Tratando o relato das tentações de Jesus, apenas retomei a tese deSoloviev, segundo a qual a exegese histórico-crítica também pode ser usada pelo anticristo – o que é um fato incontestável. Ao mesmo tempo, porém, sempre – e em particular no prefácio ao primeiro volume do meu livro sobreJesus de Nazaré – eu esclareci de modo evidente que a exegese histórico-crítica é necessária para uma fé que não propõe mitos com imagens históricas, mas reivindica uma historicidade verdadeira e, por isso, deve apresentar a realidade histórica das suas afirmações de modo científico também. Por isso, também não é correto que o senhor diga que eu estaria interessado somente na meta-história: muito pelo contrário, todos os meus esforços têm o objetivo de mostrar que o Jesus descrito nos Evangelhos também é o Jesus histórico real; que se trata de história realmente ocorrida. (...)

Com o 19º capítulo do seu livro, voltamos aos aspectos positivos do seu diálogo com o meu pensamento. (...) Mesmo que a sua interpretação de João 1, 1 seja muito distante da que o evangelista pretendia dizer, existe, no entanto, uma convergência que é importante. Se o senhor, porém, quer substituir Deus por "A Natureza", resta a questão: quem ou o que é essa natureza. Em nenhum lugar, o senhor a define e, assim, ela parece ser uma divindade irracional que não explica nada. Mas eu gostaria, acima de tudo, de fazer notar ainda que, na sua religião da matemática, três temas fundamentais da existência humana continuam não considerados: a liberdade, o amor e o mal. Admiro-me que o senhor, com uma única referência, liquide a liberdade que, contudo, foi e é o valor fundamental da época moderna. O amor, no seu livro, não aparece, e também não há nenhuma informação sobre o mal. Independentemente do que a neurobiologia diga ou não diga sobre a liberdade, no drama real da nossa história ela está presente como realidade determinante e deve ser levada em consideração. Mas a sua religião matemática não conhece nenhuma informação sobre o mal. Uma religião que ignore essas questões fundamentais permanece vazia.

Ilustríssimo Senhor Professor, a minha crítica ao seu livro, em parte, é dura. Mas a franqueza faz parte do diálogo; só assim o conhecimento pode crescer. O senhor foi muito franco e, assim, aceitará que eu também o seja. Em todo caso, porém, avalio muito positivamente o fato de que o senhor, através do seu contínuo confronto com a minha Introdução ao cristianismo, tenha buscado um diálogo tão aberto com a fé da Igreja Católica e que, apesar de todos os contrastes, no âmbito central, não faltem totalmente as convergências.

Com cordiais saudações e com todos os melhores votos para o seu trabalho.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

São Geraldo

Hoje, nos enriquecemos com a vida de santidade de São Geraldo, o primeiro mártir da Hungria.
O santo de hoje nasceu em Veneza, em 980. Estudou em escola beneditina e teve uma ótima formação, que inclui o zelo pela salvação das almas. Abraçou a vida religiosa na Ordem Beneditina e em pouco tempo São Geraldo chegou ao serviço de abade do mosteiro.
Voltando de uma viagem à Terra Santa, passou pela Hungria e a pedido do rei assumiu a missão de evangelizar com seu grupo aquela nação. Combateu as idolatrias e o sagrado Bispo não deixava de recorrer e recomendar a Onipotência Suplicante da Virgem Maria.
Com a morte do rei, entrou a luta pelo poder e ele lutou pela paz onde reinava a discórdia. Um dos pretendentes não só era contra o Bispo, mas cultivava ódio pelo Cristianismo.
Numa viagem em socorro do povo com a fé ameaçada, São Geraldo foi preso e apedrejado até a morte pelos inimigos da fé, isto em 24 de setembro de 1046.
Deixou escrito lindos testemunhos do religioso Bispo e fiel cristão, o qual tornou-se com a graça de Deus.
São Geraldo, rogai por nós!

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A dois meses do encerramento, bispos fazem balanço do Ano da Fé

Jéssica Marçal
Da Redação CN


Arquivo
Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, acredita que Ano da Fé já está dando frutos

O Ano da Fé, proclamado pelo Papa Emérito Bento XVI, termina no dia 24 de novembro. Desde outubro passado, fiéis e toda a Igreja têm tido a oportunidade de refletir mais sobre a fé católica, atendendo à proposta da iniciativa.  

O presidente da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, disse que, ao longo desses 11 meses, houve um esforço geral de valorizar mais a fé, conhecendo seu conteúdo e vivendo-a mais intensamente. 

Sobre as várias iniciativas no Brasil e no mundo, Dom Sérgio explica que elas se dividiram em vários níveis – local, diocesano, em movimentos – mas a proposta foi sempre estudar os conteúdos fundamentais da fé. 

“Houve uma valorização maior do próprio Catecismo da Igreja Católica. (...) Também eu creio que essa renovação missionária da Igreja aconteceu em nível local e paroquial também motivada pelo Ano da Fé”, disse. 

A busca da educação na fé por parte dos jovens foi um ponto destacado pelo bispo auxiliar da arquidiocese de Belo Horizonte (MG), Dom Wilson Angotti, como uma dessas iniciativas marcantes. O prelado também é membro da Comissão para a Doutrina da Fé e contou que viu vários grupos de jovens estudando o Catecismo da Igreja Católica e a Doutrina Social da Igreja. 

“Isso desperta em nós a consciência de que os jovens estão buscando, estão aprofundando e a fé tende a se tornar sempre mais consciente e mais firme. Eu acho que isso é algo que fica marcante nesse Ano”. 

Aspectos pontuais

Sem deixar de considerar as ações paroquiais e diocesanas que aconteceram, Dom Sérgio destacou o congresso sobre os 20 anos do Catecismo da Igreja Católica, uma ação em nível de Conferência Episcopal. Ele também citou a publicação de um documento sobre as razões da fé no mundo de hoje. 

“É muito importante as pessoas darem as razões da fé, o porquê creem, por isso que tem que conhecer melhor. A própria Conferência Episcopal, através da Comissão para a Doutrina da Fé, publicou este texto”, exemplificou. 

Em nível mais local, Dom Wilson comentou a intensificação da catequese na região Nossa Senhora da Conceição, onde ele atua em Belo Horizonte. “Nós tivemos um empenho grande em intensificar a catequese, eu acho que é uma iniciativa justamente motivada pelo Ano da Fé e que pode ser percebida em relação ao que o Ano da Fé nos solicitava”.  

Arquivo
Dom Wilson acredita que a fé se fortalece mesmo nas adversidades

 Provação à fé

A busca pela confirmação na fé coloca em questão também as diversas formas de abalar a fé nos dias de hoje. Como exemplo, podem ser citados os conflitos na Síria, que causaram muitas mortes e destruição no país, inclusive de cristãos.

Dom Wilson comenta que as adversidades sempre estiveram presentes na história da Igreja, com desafios e opressões aos cristãos. “Eu acredito que a fé, também nesses ambientes de adversidades, ela se fortalece sempre mais e o testemunho dos cristãos nunca passa em vão”.

Orientações para vivência da fé

E para estes últimos meses de Ano da Fé, Dom Sérgio e Dom Wilson deixaram algumas orientações para que esse período seja bem vivenciado. Dom Wilson destacou três ações: conhecer, viver e transmitir a fé. 

“É um compromisso que fica para cada um de nós cristãos mesmo terminando o Ano da Fé, que nos serve apenas de uma motivação para que possamos viver esses compromissos que são parte integrante de toda a nossa vida cristã”. 

Dom Sérgio concluiu destacando que estas são ações, inclusive, presentes na estrutura do próprio Catecismo da Igreja Católica. “Nós temos que entender que o Ano da Fé continua a sua proposta de uma vivência da fé, mas da fé que é professada, da fé celebrada, portanto são esses três momentos que estrutura o próprio Catecismo da Igreja Católica: a fé que nós professamos, a fé que nós rezamos ou celebramos, a fé que nós procuramos vivenciar”. 

Campanha pretende reunir testemunhos sobre a missão de Bento XVI


Da Redação CN, com padrepauloricardo.com / Rome Reports


Uma campanha chamada "Lápis para Bento XVI" pretende reunir testemunhos de pessoas ao redor do mundo que foram influenciadas pelos escritos do Papa Emérito. Segundo os organizadores, que mantêm um site dedicado ao prefeito da Casa Pontifícia - e também secretário pessoal de Ratzinger - Dom Georg Ganswein, a ideia é reunir todas as mensagens em um livro e entregá-las, juntamente com uma caixa de lápis, a Bento XVI. O predecessor de Francisco sempre preferiu o grafite na hora de escrever seus textos.

Durante o voo de retorno à Roma após a JMJ no Brasil, o Papa Francisco explicava aos jornalistas como é conviver com o Papa Emérito. Na ocasião, o Santo Padre se referiu a seu antecessor, chamando-o de avô. "Em uma família, quando o avô está em casa, ele é honrado, amado e ouvido", esclareceu o Pontífice. Ao refletir sobre essas palavras, a equipe do georgganswein.com decidiu iniciar a campanha. No site, os jovens justificam a ideia dizendo que "todos nós aprendemos de Bento XVI o real significado de ser um cristão, através de suas palavras, gestos, de todo o seu ser. Ele faz parte de nossas vidas de um jeito ou de outro".

Recentemente, correu o mundo a notícia da jovem ex-ateia que se converteu lendo os livros do Papa Emérito. Megan Hodder, então leitora ávida de Dawkins, Harris e Hitchens - os cães de caça do ateísmo militante -, esperava encontrar nos manuscritos de Ratzinger preconceitos e irracionalidades para fundamentar seu ateísmo. Feliz (e surpreendente) engano. "Ao contrário", lembra a moça, "fui colocada diante de um Deus que era o Logos (...) o parâmetro de bondade e verdade objetiva que se expressa a Si mesmo e para o qual nossa razão se dirige e no qual ela se completa"01.

Quem também se viu estimulado a redescobrir a fé, através dos ensinamentos do Papa Bento, foi o jornalista Peter Seewald, seu biógrafo. Seewald teve a oportunidade de entrevistar o então Cardeal Joseph Ratzinger para o livro entrevista "O Sal da Terra". Na época, o jornalista estava num processo de discernimento espiritual e foram as palavras de Ratzinger que lhe deram "o impulso necessário para dar o grande passo que faltava depois de inúmeros pequenos passos que já tinha dado". O que mais lhe impactou foi a agudeza do pensamento de Bento XVI; "suas respostas, expostas com precisão e simplicidade, e sobretudo com uma lógica irrefutável, compendiavam de maneira fascinante o enorme tesouro da herança cristã"02.

Bento XVI já escreveu mais de 600 artigos e uma centena de livros - traduzidos em várias línguas - ora sobre teologia, ora sobre assuntos pastorais. Seu último grande trabalho foi a trilogia "Jesus de Nazaré", na qual harmoniza a pesquisa histórica cristã com a Tradição da Igreja. Em 2008, a Editora Vaticano publicou o primeiro volume da Opera Omnia de Ratzinger, trazendo em seu escopo as principais contribuições do teólogo à discussão litúrgica.

A campanha "Lápis para Bento XVI" deseja expressar o amor, o respeito e a apreciação das centenas de pessoas que tiveram nele o auxílio necessário na busca pelo Senhor. "É uma maneira", escrevem os organizadores, "de pedir-lhe que nunca pare de escrever, a fim de que um dos mais estupendos instrumentos de Deus possa continuar a ressoar". A equipe do site georgganswein.com pede aos interessados que escrevam seus testemunhos para o e-mail info@georgganswein.com até o próximo dia 30 de setembro.

São Pio de Pietrelcina

Este digníssimo seguidor de S. Francisco de Assis nasceu no dia 25 de maio de 1887 em Pietrelcina (Itália). Seu nome verdadeiro era Francesco Forgione.
Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, os quais via constantemente devido à grande familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu Anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho.
Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu Anjo da Guarda estreitando assim a intimidade dos fiéis para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da Igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário.
Com quinze anos de idade entrou no Noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Morcone, adotando o nome de “Frei Pio” e foi ordenado sacerdote em 10 de agosto de 1910 na Arquidiocese de Benevento.
Após a ordenação, Padre Pio precisou ficar com sua família até 1916, por motivos de saúde e, em setembro desse mesmo ano, foi enviado para o convento de São Giovanni Rotondo, onde permaneceu até o dia de sua morte.
Abrasado pelo amor de Deus, marcado pelo sofrimento e profundamente imerso nas realidades sobrenaturais, Padre Pio recebeu os estigmas, sinais da Paixão de Jesus Cristo, em seu próprio corpo.
Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por meio desse sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiéis e libertá-los das garras do demônio, conhecido por ele como “barba azul”.
Torturado, tentado e testado muitas vezes pelo maligno, esse grande santo sabia muito da sua astúcia no afã de desviar os filhos de Deus do caminho da fé. Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de construir um grande hospital, conhecido como “Casa Alívio do Sofrimento”, que se tornou uma referência em toda a Europa. A fundação deste hospital se deu a 5 de maio de 1956.
Devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, Padre Pio cria os grupos de oração, verdadeiras células catalisadoras do amor e da paz de Deus, para serem instrumentos dessas virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.
Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração, Padre Pio celebrou uma Missa nesta intenção. Essa Celebração Eucarística foi o caminho para o seu Calvário definitivo, na qual entregaria a alma e o corpo ao seu grande Amor: Nosso Senhor Jesus Cristo; e a última vez em que os seus filhos espirituais veriam a quem tanto amavam.
Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descansa em paz aquele que tinha abraçado a Cruz de Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu.
Foi beatificado no dia 2 de maio de 1999 pelo Papa João Paulo II e canonizado no dia 16 de junho de 2002 também pelo saudoso Pontífice.
Padre Pio dizia: “Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar!”
São Pio de Pietrelcina, rogai por nós!

sábado, 21 de setembro de 2013

São Mateus

A Igreja celebra hoje, de forma especial, a vida de São Mateus apóstolo e evangelista, cujo nome antes da conversão era Levi. Morava e trabalhava como coletor de impostos em Cafarnaum, na Palestina. Quando ouviu a Palavra de Jesus: “Segue-me” deixou tudo imediatamente, pondo de lado a vida ligada ao dinheiro e ao poder para um serviço de perfeita pobreza: a proclamação da mensagem cristã!
Mateus era um rico coletor de impostos e respondeu ao chamado do Mestre com entusiasmo. Encontramos no Evangelho de São Lucas a pessoa de Mateus que prepara e convida o Mestre para a grande festa de despedida em sua casa. Assim, uma numerosa multidão de publicanos e outros tantos condenados aos olhos do povo, sentaram-se à mesa com ele e com Àquele que veio, não para os sãos, mas sim para os doentes; não para os justos, mas para os pecadores. Chamando-os à conversão e à vida nova.
Por isso tocado pela misericórdia Daquele a quem olhou e amou, no silêncio e com discrição, livrou-se do dinheiro fazendo o bem.
É no Evangelho de Mateus que contemplamos mais amplamente trechos referentes ao uso do dinheiro, tais como:
“Não ajunteis para vós, tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os destroem.” e ainda:“Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.”
Com Judas, porém, ficou o encargo de “caixa” da pequena comunidade apostólica que Jesus formava com os seus. Mateus deixa todo seu dinheiro para seguir a Jesus, e Judas, ao contrário, trai Jesus por trinta moedas!
Este apóstolo a quem festejamos hoje com toda a Igreja, cujo significado do nome é Dom de Deus, ficou conhecido no Cristianismo nem tanto pela sua obra missionária no Oriente, mas sim pelo Evangelho que guiado pelo carisma extraordinário da inspiração pôde escrever, entre 80-90 na Síria e Palestina, grande parte da vida e ensinamentos de Jesus. Celebramos também seu martírio que acabou fechando com a palma da vitória o testemunho deste apóstolo, santo e evangelista.
São Mateus, rogai por nós!

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...