Pesquisar este blog

Compartilhe



domingo, 30 de junho de 2013

São Pedro e São Paulo – Domingo 30/06/13

Evangelho (Mt 16,13-19)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13 Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”
14 Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.
15 Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”
16 Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.
17 Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18 Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19 Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Protomártires da Igreja de Roma

Protomártires da Igreja de RomaDepois da solenidade universal dos apóstolos São Pedro e Paulo, a liturgia nos apresenta a memória de outros cristãos que se tornaram os primeiros mártires da Igreja de Roma, por isso, protomártires.
O testemunho dos mártires da nossa Igreja nos recorda o que é essencial para a vida, para o cristão, para sermos felizes em Deus, principalmente nos momentos mais difíceis que todos nós temos.
Os mártires viveram tudo em Cristo.
No ano de 64, o imperador Nero pôs fogo em Roma e acusou os cristãos. Naquela época a comunidade cristã, vítima de preconceitos, era tida como uma seita, e inimiga, pois não adoravam o Imperador.
Qualquer coisa que acontecia de negativo, os cristãos eram acusados. Por isso, foram acusados de terem posto fogo em Roma, e a partir daí, no ano 64, começaram a ser perseguidos.
Os escritos históricos em Roma narram que os cristãos eram lançados nas arenas para servirem de espetáculo ao povo, junto às feras. Cobertos de piches, como tochas humanas e muitos outros atos atrozes.
E a resposta era sempre o perdão e a misericórdia.
O Papa São Clemente I escreveu: “Nos encontramos na mesma arena e combatemos o mesmo combate. Deixemos as preocupações inúteis e os vãos cuidados e voltemo-nos para a gloriosa e venerável regra da nossa tradição: consideremos o que é belo, o que é bom e o que é agradável ao nosso criador.”
Protomártires da Igreja de Roma, rogai por nós!

sábado, 29 de junho de 2013

São Pedro e São Paulo Apóstolos

São Pedro e São Paulo ApóstolosHoje a Igreja do mundo inteiro celebra a santidade de vida de São Pedro e São Paulo apóstolos. Estes santos são considerados “os cabeças dos apóstolos” por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.
Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro. Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no Dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como seu Senhor, Jesus Cristo.
Escreveu duas Epístolas e, provavelmente, foi a fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho.
Paulo, cujo nome antes da conversão era Saulo ou Saul, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada “aos pés de Gamaliel”, um dos grandes mestres da Lei na época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.
Converteu-se à fé cristã no caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério. Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação.
Escreveu treze Epístolas e ficou conhecido como o “Apóstolo dos gentios”.
São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Nossa Senhora do Perpétuo SocorroA devoção à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro começou a ser propagada a partir de 1870 e espalhou-se por todo o mundo. Trata-se de uma pintura do século XIII, de estilo bizantino. Segundo a tradição, foi trazida de Creta, Grécia, por um negociante. E, desde 1499, foi honrada na Igreja de São Mateus in Merulana..
Em 1812, o velho Santuário foi demolido. O quadro foi colocado, então, num oratório dos padres agostinianos. Em 1866, os redentoristas obtiveram de Pio IX o quadro da imagem milagrosa. Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi colocada na Igreja de Santo Afonso, em Roma. De semblante grave e melancólico, Nossa Senhora traz no braço esquerdo o Menino Jesus, ao qual o Arcanjo Gabriel apresenta quatro cravos e uma cruz. Ela é a senhora da morte e a rainha da vida, o Auxílio dos cristãos, o socorro seguro e certo dos que a invocam com amor filial.
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, rogai por nós!

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Santos João e Paulo

Santos João e PauloOs santos que recordamos hoje pertenceram ao século IV e ali deram um lindo testemunho do martírio no ano de 362, no contexto em que a Igreja de Cristo era perseguida.
Eles pertenciam à Corte de Juliano, o Apóstata, que queria que todos os cristãos se rendessem aos deuses do Império. João e Paulo, porém, renunciaram ao cargo, e se retiraram para uma propriedade onde viveram da caridade e servindo aos pobres, testemunhando acima de tudo o amor a Deus.
Eram irmãos de sangue, mas responderam pessoalmente ao Evangelho.
O Imperador enviou uma autoridade para convencê-los a mudarem de ideia, e oferecerem sacrifícios ao deus Júpiter para não serem condenados.
Após alguns dias, os irmãos não negaram sua fé e acabaram morrendo degolados, testemunhando seu amor a Deus.
São João e São Paulo, rogai por nós!

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Solenidade do Nascimento de João Batista

Solenidade do Nascimento de João BatistaCom muita alegria, a Igreja, solenemente, celebra o nascimento de São João Batista. Santo que, juntamente com a Santíssima Virgem Maria, é o único a ter o aniversário natalício recordado pela liturgia.
São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo, seu primo, e foi um anjo quem revelou o seu nome ao seu pai, Zacarias, que há muitos anos rezava com sua esposa para terem um filho.
Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade adequada, João teria participado da vida monástica de uma comunidade rigorista, na qual, à beira do Rio Jordão ou Mar Morto, vivia em profunda penitência e oração. Pode-se chegar a essa conclusão a partir do texto de Mateus: “João usava um traje de pêlo de camelo, com um cinto de couro à volta dos rins; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre”.
O que o tornou tão importante para a história do Cristianismo é que, além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho do Senhor com pregações conclamando os fiéis à mudança de vida e ao batismo de penitência (por isso “Batista”). Como nos ensinam as Sagradas Escirturas: “Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo” (Mateus 3,11).
Os Evangelhos nos revelam a inauguração da missão salvífica de Jesus a partir do batismo recebido pelas mãos do precursor João e da manifestação da Trindade Santa.
São João, ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, a fim de que somente o Messias aparecesse. Grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados, ele foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabando decapitado devido ao ódio de Herodíades, que fora esposa do irmão deste [Herodes], com a qual este vivia pecaminosamente.
O grande santo morreu na santidade e reconhecido pelo próprio Cristo: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João , o Batista” (Mateus 11,11).
São João Batista, rogai por nós!

domingo, 23 de junho de 2013

12ª Domingo do Tempo Comum – Domingo 23/06/13

Evangelho (Lc 9,18-24)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Certo dia, 18Jesus estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?”
19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.
20Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”
Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”.
21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.
23Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me. 24Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

São José inserido nas Orações Eucarísticas do Missal Romano

São José - ícone 4A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, por meio de um de um decreto emitido no dia 1º de maio passado, inseriu São José no texto das Orações Eucarísticas II, III e IV do Missal Romano. “Pelo seu lugar singular na economia da salvação como pai de Jesus, São José de Nazaré, colocado à frente da Família do Senhor, contribuiu generosamente à missão recebida na graça e, aderindo plenamente ao início dos mistérios da salvação humana, tornou-se modelo exemplar de generosa humildade, que os cristãos têm em grande estima, testemunhando aquela virtude comum, humana e simples, sempre necessária para que os homens sejam bons e fiéis seguidores de Cristo”, afirma o texto.
“Na Igreja Católica os fiéis, de modo ininterrupto, manifestaram sempre uma especial devoção a São José honrando solenemente a memória do Esposo da Mãe de Deus como Patrono celeste de toda a Igreja; de tal modo que o Beato João XXIII, durante o Concílio Ecumênico Vaticano II, decretou que no antiquíssimo Cânone Romano fosse acrescentado o seu nome. O Sumo Pontífice Bento XVI acolheu e quis aprovar tal iniciativa manifestando-o várias vezes, e que agora o Sumo Pontífice Francisco confirmou, considerando a plena comunhão dos Santos que, tendo sido peregrinos conosco neste mundo, nos conduzem a Cristo e nos unem a Ele”, explica o decreto.
A partir de agora, no texto das Orações Eucarísticas II, III e IV da terceira edição típica do Missal Romano, o nome de São José deve ser colocado depois do nome da Bem-aventurada Virgem Maria como se segue: na Oração Eucarística II: “ut cum beata Dei Genetrice Virgine Maria, beato Ioseph, eius Sponso, beatis Apostolis”, Na Oração Eucarística III: “cum beatissima Virgine, Dei Genetrice, Maria, cum beato Ioseph, eius Sponso, cum beatis Apostolis”; na Oração Eucarística IV: “cum beata Virgine, Dei Genetrice, Maria, cum beato Ioseph, eius Sponso, cum Apostolis”.
Para os textos redigidos em língua latina utilizam-se as formulas agora apresentadas como típicas. A Congregação fará a tradução nas línguas ocidentais mais difundidas; para as outras línguas a tradução devera ser preparada, segundo as normas do Direito, pelas respectivas Conferências Episcopais e confirmadas pela Sé Apostólica.

Como os cristãos devem agir diante das manifestações populares?


Catarina Jatobá
Canção Nova Notícias, BH


Mesmo com espírito democrático, os protestos que levaram milhares de brasileiros às ruas dividem a opinião pública por causa do vandalismo infiltrado nos movimentos pacíficos. O momento é uma oportunidade para os cristãos questionarem sobre sua participação nas manifestações sociais.

Assista à reportagem de Catarina Jatobá


O rosto pintado de verde e amarelo estampam as cores de um sonho: tornar o País mais justo e democrático. Sonho que é próprio da juventude, que tem coragem de ir às ruas e caminhar em direção às mudanças.

Mas nestes protestos pacíficos entra também a depredação, de grupos que apelam para a violência. E, neste ponto, surge um questionamento: como os cristãos devem agir?

Em encontro com professores e estudantes, o Papa Francisco comentou sobre qual deve ser o compromisso social da juventude. Ele afirmou que, para o cristão, é uma obrigação envolver-se na política, citada por ele como uma das mais altas formas de caridade, por buscar o bem comum.

Para o Bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG), Dom João Justino de Medeiros, a expressão religiosa assume também uma dimensão política, que pode ser expressa por meio de manifestações.

"Nesse sentido, nós católicos e todos os cristãos, e todos os cidadãos brasileiros, são chamados sim a manifestar, mas a descobrir que essa manifestação deve ser feita de modo pacífico, como construtores de uma sociedade nova. Nós não construímos se destruímos, sobretudo aquilo que é o bem público e o bem maior, que é a vida das pessoas", explicou.

E a juventude, o que pensa a esse respeito? "Com certeza deve se envolver sim, senão seria se omitir, né? diante das coisas que estão acontecendo", afirma uma jovem de Belo Horizonte.

"A gente, como católico, cristão ou qualquer tipo de religião, vive na sociedade como qualquer um e tem que reivindicar seus direitos, e a questão da manifestação tem que ser pacífica, mas insistente", diz outro jovem mineiro.

Para o padre Geovane Marques, da Paróquia Cristo Rei em Belo Horizonte, os movimentos populares podem ser feitos de forma coerente com a doutrina cristã.

"Nós vemos nessas manifestações uma oportunidade muito rica de fazer valer o Evangelho de Jesus Cristo, que nos convida a lutar pelos direitos humanos, pela solidariedade, pela justiça. Não existe uma orientação direcionada para a participação nessas manifestações, mas existe um acolhimento da nossa parte e, ao mesmo tempo, a indicação de cuidados, com relação ao excesso na condução dessas manifestações, sobretudo, ligadas ao vandalismo, isso nós repudiamos", destacou.

Na dúvida de como participar, segue uma dica prática:

"A juventude deve sim colocar-se nesse caminho de busca para uma transformação da sociedade, mas volto a dizer, colocando como critérios os ensinamentos de Jesus Cristo", afirmou padre Marques. 

O Papa e os jovens - Reflexão de Dom José Moura


Dom José Alberto Moura
Arcebispo de Montes Claros (MG)


CNBB
''A alegria não nasce do ter muitas coisas, mas do encontro com Jesus'', destaca Dom José
O Papa Francisco solicitou aos jovens e suas comunidades a se prepararem bem, sobretudo espiritualmente, para a jornada em julho no Rio de Janeiro. O encontro com ele deverá ser “sinal de fé para o mundo inteiro. Os jovens devem dizer ao mundo: é bom seguir Jesus; é bom caminhar com Jesus; é boa a mensagem de Jesus; é bom sair de si mesmo e ir às periferias do mundo e da existência para levar Jesus! Três palavras: alegria, cruz, jovens” (mensagem do domingo de ramos de 2012).

O Pontífice lembra que a alegria não nasce do ter muitas coisas, mas do encontro com Jesus. Com Ele não estamos sozinhos, mesmo nos momentos difíceis. Ele entrou em Jerusalém para ser crucificado e mostrou que dava tudo de si por nós. A alegria da fé nele enche a juventude da certeza de vencer tudo o que se opõe à conquista do ideal de construção de um caminho novo para a sociedade.

Com Cristo o coração jovem se perpetua com o passar dos anos. Precisamos de quem enfrenta os desafios do mundo paganizado, que coloca o ter coisas, prazeres e prestígio como finalidade da vida. Cristo nos aponta o caminho que faz a pessoa trabalhar a grandeza do caráter bem formado para amar, servir, promover a boa família, a boa política de real serviço ao bem comum, a inclusão social, a fé comprometida com os valores do Reino de Deus. Daí surgem a bondade de coração, a superação dos vícios e das paixões desordenadas...

A preparação da Jornada Mundial da Juventude tem afervorado a juventude do Brasil para ela encetar o caminho novo da conquista de seu lugar na Igreja e na sociedade, transformando-as com os valores da vida nova de Cristo.

A cruz da Jornada e o ícone de Maria são sinais chamativos para a juventude perceber que, seguindo a Jesus e colocando em prática seu exemplo e seus ensinamentos, é capaz de tornar a convivência humana realmente transformadora com o novo ideal de vida impregnado de amor a Deus e ao semelhante. Sem isso, o ser humano se torna demais animalizado, egoísta e sem perspectiva de conquista de um ideal realmente realizador. Com o exemplo e a intercessão de Maria a juventude perceberá que vale a pena, com ela, dar respaldo à salvação de tantas pessoas que vivem nos descaminhos de vida sem sentido.

No entanto, o encontro com o Papa vem reforçado com o impulso para o pós-encontro, a fim de que a caminhada da juventude tome um rumo de compromisso de vida permanente, para sua ajuda de transformação da convivência humana, com os critérios do Evangelho.

O Rio e a Igreja de todo o Brasil estão abertos para o Santo Padre abençoar a juventude e todos nós, para vivermos mais nosso compromisso de ajudarmos a juventude a ser e atuar como verdadeira força renovadora de nossa caminhada humana e cristã.

Deus abençoe nossa juventude, para que ela seja protagonista na nova sociedade, com a vida de amor e promoção da cidadania adequada para todos!

É proibido proibir?

Imagem de Destaque


Precisamos repensar alguns valores

Um dos ecos mais fortes que o Iluminismo francês fez chegar aos nossos tempos é a reivindicação da liberdade. Nesse sonho cultivado por muitas gerações, a regra era clara: é proibido proibir!

Todos deveriam simplesmente aceitar esse novo dogma sem questionar. A Igreja Católica era vista por muitos como símbolo da proibição, do pecado, da culpa. Filmes mostraram isso sem que os monges pudessem sequer se defender. Dogma é dogma. Está certo, mas qualquer um vê que essa verdade é contraditória. Quem proíbe de proibir já está proibindo. Não faz sentido, mas é a regra de ouro que ainda está em voga nos nossos dias.

Arrisque-se a pedir que as TVs deixem de passar algum programa que prejudique crianças ou adolescentes. É proibido censurar! Arrisque-se a dizer que este ou aquele filme é um desrespeito a milhões de pessoas que cultivam uma determinada fé. É proibido proibir!

Mas agora a situação está ficando catastrófica. Nem vamos perder tempo em comentar o romanceado Código da Vinci. Pode ser até um passatempo para quem quer se distrair com algum tipo de fantasia; a humanidade sempre gostou do surreal. Não me parece honesto colocar a fantasia muito próxima da realidade. Jogos de morte mutilam a mente de muitos adolescentes que passam a odiar seus avós, porque aderiram à lógica de um joguinho de computador. Deixe pra lá! Temos uma outra urgência.


A ciência sempre se vangloriou da liberdade de pesquisa em nome de seus avanços. É desconfortável para a ciência ser limitada pela consciência. Muitos pesquisadores que manipulam embriões humanos preferem dizer: é proibido proibir. Há laboratórios que reproduzem, silenciosamente, o holocausto da Segunda Guerra Mundial.
Mas alguém poderia dizer que nada disso o atinge no dia a dia. Nem os transgênicos que acabamos comendo sem saber? Bem... Vai levar algum tempo para começarem os efeitos. Por que proibir? Lembre-se de que Deus perdoa sempre, nós perdoamos às vezes (deveria ser pelo menos 70 x 7!), mas a natureza não perdoa nunca.

Está começando um novo tempo em que o século das luzes vai mostrando suas penumbras e a célebre liberdade vai deixando claros seus limites. Estamos finalmente descobrindo que é necessário proibir. Não se pode permitir ao alcoolizado pegar no volante. Proíba-se! Quem se atreveria a colocar limites ao celular? Já recebi milhões de e-mails dizendo que as ondas desses aparelhinhos provocam doenças terríveis que começam com dor de cabeça. Pensei que seria câncer. É pior. Por meio deles, torna-se possível a organização de facções criminosas capazes de aterrorizar milhões de pessoas em questão de horas. Não sei se a bomba atômica fez tanto estrago. Nem mesmo o terrorismo clássico, que derrubou os prédios e mudou a cultura nos Estados Unidos da América, teve tanto poder. Um pequeno celular. Por que proibi-lo?

Precisamos repensar alguns valores. Não sou favorável a nenhum tipo de totalitarismo. Nasci em 1964, assisti ao golpe da barriga de minha mãe. Faço parte da geração do silêncio, a qual teve de engolir as aulas de Educação Moral e Cívica, OSPB (lembra o que é isso?) e cantar: “Eu te amo meu Brasil, eu te amo...”.

Esse tempo já vai tarde! Não pode mais voltar. Mas não podemos ficar sentados em utopias ocas de liberdade, feito uma avestruz com a cabeça enterrada em suas ideologias, sejam quais forem! É necessário colocar limites!

Alexander Sutherland Neill (1883-1973), o fundador de Summerhill, aquela escola-modelo de liberdade na Inglaterra, escreveu empolgado o livroLiberdade sem medo. Quando sua escola não tinha mais vidros nas janelas, ele escreveu um livro corretivo: Liberdade sem excesso. Pense nisso!

(Extraído do livro "Pronto, Falei!") 

Foto
Padre Joãozinho, SCJ
http://blog.cancaonova.com/padrejoaozinho/
Padre da Congregação do Sagrado Coração de Jesus (Dehonianos), doutor em Teologia, diretor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP), músíco e autor de vários livros.

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=13209

quinta-feira, 20 de junho de 2013

CNBB vai se pronunciar oficialmente sobre manifestações populares

Quinta-feira, 20 de junho de 2013, 10h55

Da Redação Canção Nova, com CNBB


CNBB
Pronunciamento oficial deve ser publicado nesta sexta-feira
Vários membros do Conselho Permanente da CNBB participaram do debate realizado durante a sessão da manhã desta quinta-feira, 20, a respeito das manifestações que estão sendo realizadas em diversas cidades brasileiras. Os bispos decidiram pela emissão de Pronunciamento Oficial da Conferência sobre esse momento nacional, considerando, especialmente, a participação dos jovens.

O Bispo de Jataí (GO) e presidente do regional Centro Oeste, Dom José Luiz Majella Delgado, considera que a palavra da Igreja deve chegar às paróquias e as comunidades ainda nesse próximo final de semana.

Dom João Carlos Petrini, Bispo de Camaçari (BA) e presidente da Comissão Episcopal para Vida e Família considerou que essas manifestações “abrem caminhos para novos evangelizadores” pois evidenciam as esperanças de mudança que encontram respostas em Jesus Cristo.

Dom Joaquim Mol, bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG) e presidente da Comissão Episcopal para Educação e Cultura, acentuou que é preciso “identificar valores evangélicos subjacentes a estas manifestações e explicitá-los como força matriz para um mundo melhor”.

A presidência da Conferência nomeou uma comissão que apresentará a proposta de texto para ser analisado pelo Conselho Permanente como Pronunciamento Oficial e que, depois, deverá ser publicado na Entrevista Coletiva, a ser realizada no final da reunião, no início da tarde desta sexta-feira, 21, na sede da CNBB, em Brasília.

O gigante acordou!

179736_677331752293433_167706369_n
Acompanhando os últimos dias e suas respectivas últimas notícias vi muita coisa acontecendo Brasil e mundo a fora. Jovens indo às ruas e se movimentando referente à taxas de transporte público, corrupção, gasto de dinheiro público em construção de estádios, PEC 37 e por ai vai. Acredito que ninguém esperava que existisse uma juventude assim, que luta por uma causa, acreditavam que os jovens estavam dormindo e ai meu amigo se surpreenderam!

Sim, os jovens estão acordados! Há muita coisa a se fazer e a propor a diferença! Há uma civilização do amor a construir e isto é pra ontem!
Porém fiquei pensando na #ogiganteacordou , isto é fantástico, não temos noção ainda da força deste gigante que pode mudar o cenário de um país, uma nação. Um gigante de jovens que podem construir uma nova sociedade marcada  pela justiça, pela paz e a dignidade da pessoa humana!
Mas você já parou pra pensar o que acontece quando se acorda?
Alguns acordam e precisam de um tempinho a mais para se localizar no tempo e espaço, tipo, antes de sair da cama é importante abrir bem os olhos se perceber no espaço antes de tomar uma direção, vai que acerta o pé em algo tipo o guarda-roupa, a porta  e aí? Hum que dor terrível.
Outras pessoas quando acordam, o humor é super lá embaixo, e o azedume é perceptível nas palavras de raiva e rancor. E tanto mal faz àqueles que com elas convivem. Atitudes bem violentas estas  não?
E ainda tem pessoas que acordam, se levantam e nem abrem os olhos, simplesmente vão andando sem direção. Nesta hora pode aparecer alguém que te conduza por um ou outro caminho.
O que tem a ver tudo isso?
Cara, não basta acordar e levantar (isso também), mas é preciso pensar, refletir e tomar uma direção. Pois se você é um dos que ao acordar não para e pensa, pode simplesmente sair sem direção e acertar o pé em coisas desconhecidas (ideologias, estratégias de manipulação e etc). Ou pode ser ainda que ao acordar tenha um ânimo de humor lá embaixo e acredita que com sua raiva e indignação pode partir para violência e nesta hora muita gente sai perdendo principalmente os inocentes. E creio ainda que ao acordar possa sair de olhos fechados para a realidade e nesta hora aparecer alguém que resolva te guiar por caminhos não tão justos e sim egoístas, que no final das contas gerará um totalitarismo ditatorial.
Sim o gigante acordou e está na hora de uma reflexão crítica e inteligente, pensar em um foco e numa mudança que urge acontecer. Está na hora de mostrarmos que temos um sonho de um mundo melhor sim! E que a injustiça social precisa ser tocada e transformada.
Mas acorde, abra bem os olhos e dê o passo! Saiba: como Cristãos temos o dever de nos posicionarmos e temos muita matéria (Doutrina Social da Igreja) para refletirmos e agirmos! Não dá para simplesmente acordar!
#verasqueumfilhoteunaofogealuta
Tamu junto!
Adriano Goncalves

domingo, 16 de junho de 2013

11ª Domingo do Tempo Comum – Domingo 16/06/13

Evangelho (Lc 7,36-8,3)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!
Naquele tempo, 36 um fariseu convidou Jesus para uma refeição em sua casa. Jesus entrou na casa do fariseu e pôs-se à mesa.
37 Certa mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que Jesus estava à mesa, na casa do fariseu. Ela trouxe um frasco de alabastro com perfume, 38 e, ficando por detrás, chorava aos pés de Jesus; com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés, enxugava-os com os cabelos, cobria-os de beijos e os ungia com o perfume.
39 Vendo isso, o fariseu que o havia convidado ficou pensando: “Se este homem fosse um profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, pois é uma pecadora”.
40 Jesus disse então ao fariseu: “Simão, tenho uma coisa para te dizer”. Simão respondeu: “Fala, Mestre!”
41 “Certo credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentas moedas de prata, o outro, cinquenta. 42 Como não tivessem com que pagar, o homem perdoou os dois. Qual deles o amará mais?”
43 Simão respondeu: “Acho que é aquele ao qual perdoou mais”. Jesus lhe disse: “Tu julgaste corretamente”.
44 Então Jesus virou-se para a mulher e disse a Simão: “Estás vendo esta mulher? Quando entrei em tua casa, tu não me ofereceste água para lavar os pés; ela, porém, banhou meus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos. 45 Tu não me deste o beijo de saudação; ela, porém, desde que entrei, não parou de beijar meus pés. 46 Tu não derramaste óleo na minha cabeça; ela, porém, ungiu meus pés com perfume.
47 Por esta razão, eu te declaro: os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor. Aquele a quem se perdoa pouco, mostra pouco amor”.
48 E Jesus disse à mulher: “Teus pecados estão perdoados”.
49 Então, os convidados começaram a pensar: “Quem é este que até perdoa pecados?”
50 Mas Jesus disse à mulher: “Tua fé te salvou. Vai em paz!”
8,1 Depois disso, Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa-nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele; e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes; Susana, e várias outras mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sábado, 15 de junho de 2013

Bem-aventurada Albertina Berkenbrock

Bem-aventurada Albertina BerkenbrockA primeira mártir brasileira nasceu em Santa Catarina em 11 de abril de 1919.
Desde cedo despontava na vida de oração, no amor à família e ao próximo. Se unia ao crucificado por meio de penitências. Jovem, mas centrada no mistério da Eucaristia, tinha vida sacramental, penitencial e de oração.
Albertina cuidava do rebanho de seu pai que deu a seguinte ordem: ela devia procurar um boi que se extraviou. No caminho, encontrou um homem de apelido ‘Maneco Palhoça’, que trabalhava para a família. Ela perguntou a ele se sabia onde estaria o boi perdido. Ele indicou um lugar distante, e a surpreendeu lá, tentando estuprá-la, porém, não teve o êxito.
A jovem resistiu, pois não queria pecar. Por não conseguir nada, ele pegou-a pelo cabelo, jogou-a ao chão e cortou seu pescoço, matando-a imediatamente.
Maneco acusou outra pessoa, que foi presa imediatamente. Ele fingia que velava a menina, e ao se aproximar do corpo, o corte vertia sangue. Ele fugiu, mas foi preso e confessou o crime. Maneco deixou claro que ela não cedeu porque não queria pecar.
Tudo isso aconteceu em 15 de junho de 1931. Por causa da castidade, Albertina não cedeu.
Bem-aventurada Albertina Berkenbrock, rogai por nós!

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Santo do Dia - Santo Antônio

Santo AntônioNeste dia, celebramos a memória do popular santo – doutor da Igreja – que nasceu em Lisboa, em 1195, e morreu nas vizinhanças da cidade de Pádua, na Itália, em 1231, por isso é conhecido como Santo Antônio de Lisboa ou de Pádua. O nome de batismo dele era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.
Ainda jovem pertenceu à Ordem dos Cônegos Regulares, tanto que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra, até ser ordenado sacerdote. Não encontrou dificuldade nos estudos, porque era de inteligência e memória formidáveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade. Aconteceu que em Portugal, onde estava, Antônio conheceu a família dos Franciscanos, que não só o encantou pelo testemunho dos mártires em Marrocos, como também o arrastou para a vida itinerante na santa pobreza, uma vez que também queria testemunhar Jesus com todas as forças.
Ao ir para Marrocos, Antônio ficou tão doente que teve de voltar, mas providencialmente foi ao encontro do “Pobre de Assis”, o qual lhe autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho. Neste sentido, Santo Antônio não fez muito, pois seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho, o que era confirmado por muitos milagres, além de auxiliar no combate à Seita dos Cátaros e Albigenses, os quais isoladamente viviam uma falsa doutrina e pobreza. Santo Antônio serviu sua família franciscana através da ocupação de altos cargos de serviço na Ordem, isto até morrer com 36 anos para esta vida e entrar para a Vida Eterna.
Santo Antônio, rogai por nós!

terça-feira, 11 de junho de 2013

Santo do dia 11/06/2013 - São Barnabé

São BarnabéSeu nome era José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que quer dizer “filho da consolação”.
O santo de hoje pertenceu a ‘era apostólica’, chamado também de Barnabé apóstolo, embora não tenha pertencido ao grupo dos Doze Apóstolos. Nós encontramos o seu testemunho enraizado nas Sagradas Escrituras, nos Atos dos Apóstolos 4,32ss.
Barnabé evangelizou comunitariamente, e o Espírito Santo contou com ele para que outro apóstolo exercesse o ministério: São Paulo. “Então Barnabé o tomou consigo, levou-o aos apóstolos e contou-lhes como Saulo tinha visto no caminho, o Senhor, que falara com ele, e como, na cidade de Damasco, ele havia pregado, corajosamente, no nome de Jesus. Daí em diante, Saulo permanecia com eles em Jerusalém e pregava, corajosamente, no nome do Senhor.” (Atos 9,27-28)
Escritos antigos dizem que Barnabé passou por Roma, e morreu em Salamina pelo ano 70, por apedrejamento. Um homem que se consumiu na missão de evangelizar.
São Barnabé, rogai por nós!

domingo, 9 de junho de 2013

Papa salta discurso e revela porque não quis "luxos" e responde outras perguntas

10ª Domingo do Tempo Comum – Domingo 09/06/13

Evangelho (Lc 7,11-17)

Pres.: O Senhor esteja convosco.
Ass.: Ele está no meio de nós.
Pres.: PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
Ass.: Glória a vós, Senhor.
Pres.: Naquele tempo, 11 Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. 12 Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. 13 Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!” 14 Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” 15 O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. 16 Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”.
17 E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira, e por toda a redondeza.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Bem-aventurado José de Anchieta

Bem-aventurado José de AnchietaNascido nas Ilhas Canárias, pertencente a uma grande família de 12 irmãos, o santo de hoje viveu no século XVI.
Por motivos de estudo, foi enviado para Coimbra – Portugal, local onde teve o primeiro contato com a Companhia de Jesus e com o testemunho de São Francisco Xavier.
Muitas coisas o levaram a discernir seu chamado à vida religiosa, e aos 17 anos diante de uma imagem de Nossa Senhora, ele fazia o seu compromisso de abandonar tudo e servir a Deus.
Anchieta entrou na Companhia de Jesus em 1551, fez um noviciado exigente, e mesmo com a saúde frágil fez os seus votos de castidade, pobreza e obediência, em 1553. Neste mesmo ano foi enviado para o Brasil, e chegando na Terra de Santa Cruz ele pôde evangelizar.
Ainda não era sacerdote. Estudava Filosofia, Teologia, e sempre evangelizando, dando aulas, indo ao encontro dos indígenas. Respeitava a cultura do povo, conheceu a língua Tupi-Guarani para melhor evangelizar.
Homem fiel à santa doutrina, à sua congregação e acima de tudo, fiel ao Espírito Santo.
Esteve em diversos lugares do Brasil, como São Paulo, Rio de janeiro, Espírito Santo, Bahia etc. Consumia-se na missão.
José de Anchieta é um modelo para todos os tempos, para uma nova evangelização no poder do Espírito Santo e com profundo respeito a quem nos acolhe, a quem é chamado também a ser inteiro de Jesus.
Bem-aventurado José de Anchieta, rogai por nós!

sábado, 8 de junho de 2013

O Senhor quer salvar a todos

Quando Jesus fala a respeito de sua vinda, conta três parábolas: a parábola das dez virgens, a dos talentos e a terceira, contando que na sua segunda vinda, Ele vai separar diante dele os bons e os maus.

Ele quer que estejamos todos do lado das ovelhas, por isso, agora é tempo de procurar o Senhor. 
O Senhor nos fala da sua vinda gloriosa. Não para ficarmos com medo, mas para estarmos preparados. Ele virá uma segunda vez. Se a primeira vinda foi tão importante, já que ele mandou João Batista para prepará-la, a segunda é definitiva, quando as portas serão fechadas. 

Alguns, ainda zombam, dizendo que é tempo perdido servir ao Senhor. Mas, na verdade, buscá-Lo é uma necessidade para nós.
Não desprezamos quem ainda não teve essa experiência. O Senhor não quer eliminar ninguém, não quer condenar ninguém. 
A receita para nós e para esses que estão longe é o Espírito Santo. Peçamos sempre Vinde Espirito Santo, caminhai conosco.



Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Fonte: http://cancaonova.com/portal/canais/pejonas/pejonas_msg_dia.php

Imaculado Coração da Virgem Maria – Sábado - Evangelho do Dia

Evangelho (Lc 2,41-51)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

41 Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém, para a festa da Páscoa. 42Quando ele completou doze anos, subiram para a festa, como de costume. 43Passados os dias da Páscoa, começaram a viagem de volta, mas o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais o notassem.
44 Pensando que ele estivesse na caravana, caminharam um dia inteiro. Depois começaram a pro­curá-lo entre os parentes e conhecidos. 45 Não o tendo encontrado, voltaram para Jerusalém à sua procura. 46 Três dias depois, o encontraram no Templo. Estava sentado no meio dos mestres, escutando e fazendo perguntas.
47 Todos os que ouviam o menino estavam maravilhados com sua inteligência e suas respostas. 48 Ao vê-lo, seus pais ficaram muito admirados e sua mãe lhe disse: “Meu filho, por que agiste assim conosco? Olha que teu pai e eu estávamos, angustiados, à tua procura”. 49 Jesus respondeu: “Por que me procu­ráveis? Não sabeis que devo estar na casa de meu Pai?” 50 Eles, porém, não compreenderam as palavras que lhes dissera. 51 Jesus desceu então com seus pais para Nazaré, e era-lhes obediente. Sua mãe, porém, conservava no coração todas estas coisas.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Sagrado Coração de Jesus – Sexta-feira - Evangelho do Dia

Evangelho (Lc 15,3-7)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, Jesus contou-lhes esta parábola: ”Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? 5 Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’ Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

A festa do Sagrado Coração de Jesus é “a festa do amor”, disse o Papa

Cidade do Vaticano (Sexta-feira, 07-06.-2013, Gaudium Press) - Na solenidade do Sagrado Coração de Jesus, o Papa Francisco tratou, nesta manhã, "daquele Coração que muito amou" os homens.
Na homilia feita durante a Santa Missa celebrada na Capela da Casa Santa Marta, o Santo Padre ensinou que Jesus nos amou não tanto com as palavras, mas com as obras e com a sua vida.sagrado_coracao_de_jesus.jpg
A festa do Sagrado Coração de Jesus é "a festa do amor", disse o Papa. É a festa de um "coração que muito amou".

Lembrando Santo Inácio de Loiola, o Papa disse ser este um amor que "se manifesta mais nas obras do que nas palavras" e que é sobretudo "mais dar do que receber": "dois critérios que são como os pilares do verdadeiro amor" de Deus.
Ele conhece suas ovelhas uma a uma, porque não se trata de um amor abstrato, mas que se manifesta por cada um de nós: "Um Deus que se faz próximo por amor, caminha com seu povo e esse caminhar chega a um ponto inimaginável. E isto é proximidade: o pastor próximo do seu rebanho, de suas ovelhas".
Deixar-nos amar pelo Senhor com ternura é difícil, mas é o que devemos pedir a Deus: este foi o ensinamento do Santo Padre na solenidade do Sagrado Coração de Jesus. (JSG)
Com informações Rádio Vaticano

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...