Pesquisar este blog

Compartilhe



segunda-feira, 16 de julho de 2012

O escapulário da Virgem do Carmo



‎"O escapulário é sinal da aliança e da comunhão recíproca entre Maria e os fiéis. Ele traduz, de maneira concreta, a entrega que Jesus fez na cruz. Cristo entregou a João, e nele a todos nós, a sua mãe. Neste mesmo ato, confiou o seu apóstolo predileto e, também nós, a Virgem Maria, constituindo-a nossa mãe espiritual (cf. Jo 19, 25-27)."



O Papa João Paulo II, a espiritualidade mariana dos carmelitas e a vivência da consagração a Nossa Senhora.
Em sua forma original, um escapulário é feito com dois pedaços de pano marrom unidos por um cordão. Um dos pedaços traz a estampa de Nossa Senhora do Carmo e o outro, a do Sagrado Coração de Jesus. Escapulário tem como origem a palavra scapulas (latim), que significa "ombros", pois, sobre estes é feita a sua imposição. Os religiosos carmelitas usam o escapulário como símbolo da sua consagração religiosa à Ordem de Nossa Senhora do Carmo, mais conhecida como Ordem dos Carmelitas. Para os demais cristãos, o escapulário é símbolo de sua devoção à Virgem do Carmo.
A Ordem dos Carmelitas foi fundada no século XI, em Monte Carmelo. No dia 16 de julho de 1251, em meio a muitas dificuldades, São Simão Stock, superior geral da Ordem, rezava no convento de Cambridge, na Inglaterra.Em sua oração, o santo pediu a Nossa Senhora um sinal visível de sua proteção. Em resposta, ele recebeu da Virgem Maria o escapulário com uma promessa: "Recebe, filho amado, este escapulário. Todo o que com ele morrer, não padecerá a perdição no fogo eterno. Ele é sinal de salvação, defesa nos perigos, aliança de paz e pacto sempiterno”.
A festa de Nossa Senhora do Carmo, celebrada pelos Carmelitas, no dia 16 de julho desde 1332, foi estendida a toda a Igreja em 1726 pelo Papa Bento XIII. Por ocasião do aniversário de 750 anos da devoção mariana do escapulário, o Papa João Paulo II disse que a Virgem Maria “já vive em si o que cada fiel deseja realizar no mistério de Cristo e da Igreja” (cf. SC 103; LG 53). Por isso, os Carmelitas escolheram Maria como padroeira e mãe espiritual, aquela que guia a todos para o perfeito conhecimento e imitação de Cristo. 

Assista também: "16 de Julho: Nossa Senhora do Carmo" 

João Paulo II diz que a forma mais genuína da devoção à Virgem Maria, expressa pelo humilde sinal do escapulário, é a consagração ao seu Imaculado Coração (cf. Pio XII, Carta Neminem profecto; LG, 67). Pela consagração se realiza, no coração dos fiéis, uma crescente comunhão e familiaridade com Nossa Senhora. Trata-se de uma maneira nova de viver para Deus e de continuar aqui na terra o amor do Filho à sua mãe Maria.
Andrea Riccardi, historiador e acadêmico italiano, fundador da Comunidade de Santo Egídio, conheceu de perto o Santo Padre e escreveu sobre sua devoção no livro “João Paulo II: a biografia”. Nele, o autor fala sobre a vivência da consagração do Pontífice: “Esta piedade acompanhará toda a vida de João Paulo II que, desde jovem, anda com o escapulário de Senhora do Carmelo”. O Papa polonês uniu as duas espiritualidades: a devoção a Nossa Senhora do Carmo e a consagração segundo o método do “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Montfort.
João Paulo II afirmava que o escapulário é sinal da “proteção contínua da Virgem Santíssima, não só ao longo do caminho da vida, mas também no momento da passagem para a plenitude da glória eterna”. No entanto, a devoção a Maria não pode se limitar a orações e oferecimentos em sua honra em algumas momentos, mas “deve constituir um hábito, isto é, um ponto de referência permanente do seu comportamento cristão, tecido de oração e de vida interior, mediante a prática frequente dos sacramentos e o exercício concreto das obras de misericórdia espiritual e corporal”.
O escapulário é sinal da aliança e da comunhão recíproca entre Maria e os fiéis. Ele traduz, de maneira concreta, a entrega que Jesus fez na cruz. Cristo entregou a João, e nele a todos nós, a sua mãe. Neste mesmo ato, confiou o seu apóstolo predileto e, também nós, a Virgem Maria, constituindo-a nossa mãe espiritual (cf. Jo 19, 25-27).
As palavras do Papa João Paulo II aos religiosos e às religiosas do Carmelo e aos demais fiéis que veneram filialmente a Virgem Maria são um convite também para nós, hoje, para “crescer no seu amor e irradiar, no mundo, a presença desta mulher do silêncio e da oração, invocada como mãe da misericórdia, mãe da esperança e da graça”.

Natalino Ueda - Comunidade Canção Nova
http://blog.cancaonova.com/tododemaria

Um comentário:

Cristina Feliciana disse...

olá, Sou Católica devota da virgem do carmo, para quiser vou indicar um site com escapulários lindos onde eu comprei www.leaojoias.com.br.

Espero ter ajudado.

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...