Pesquisar este blog

Compartilhe



segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Evangelho do Dia 31 de Dezembro de 2012


Evangelho (João 1,1-18)

Segunda-Feira, 31 de Dezembro de 2012
7º Dia na Oitava do Natal



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

1No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. 2No princípio, estava ela com Deus. 3Tudo foi feito por ela e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. 4Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la.
6Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. 7Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: 9daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.
10A Palavra estava no mundo – e o mundo foi feito por meio dela – mas o mundo não quis conhecê-la. 11Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. 12Mas, a todos os que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornar filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, 13pois estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo.
14E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. 15Dele, João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim”. 16De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. 17Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo.
18A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer. 

- Palavra da Salvação. 
- Glória a vós, Senhor.

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/liturgia/index.php?&dia=31&mes=12&ano=2012

domingo, 30 de dezembro de 2012

Família Sagrada


Em pleno clima natalício,
a Liturgia celebra a festa da SAGRADA FAMÍLIA.
O próprio Filho de Deus, vindo ao mundo,
quis seguir o caminho de todos:
fazer parte de uma família simples e humilde,
igual a tantas outras do seu tempo.

As Leituras bíblicas apresentam valores da família:

A 1ª leitura mostra que a fidelidade aos ensinamentos de Deus
assegura a harmonia familiar. (Eclo 3,3-7.14-17)

"Honrar Pai e Mãe" significa reconhecer a sua importância
como instrumentos de Deus, fonte de vida.
Isso supõe uma vida íntegra e correta, ajuda nas necessidades,
amparo na velhice, sem os desprezar nem abandonar.
- Como recompensa desta atitude, terá o perdão dos pecados,
  a alegria, a vida longa e a atenção de Deus.
  * Demonstramos gratidão aos nossos pais, que aceitaram ser,
    em nosso favor, instrumentos de Deus criador?
    O quarto mandamento continua ainda hoje atual...

Na 2ª leitura, Paulo aponta o ideal da vida cristã
como caminho seguro para construir a harmonia familiar. (Cl 3,12-21)

   "Revesti-vos de misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência..."
   "Suportai-vos e perdoai-vos uns aos outros... sobretudo amai-vos..."
   "A Palavra de Deus habite em vós... Cantai a Deus hinos espirituais..."

Conclui aplicando isso à vida familiar, dando recomendações
aos maridos... às esposas... aos filhos... aos pais...

O Evangelho nos apresenta a Sagrada Família de Nazaré,
como modelo de todas famílias. (Lc 2,41-52)

- Fiel às práticas religiosas, vai em peregrinação a Jerusalém
  para celebrar a Páscoa com o filho que já completara 12 anos.
- Quando Jesus se desvia da comitiva,
   vai aflita à procura do filho perdido, por três dias:
  "Teu pai e eu, estávamos angustiados à tua procura..."
- E Jesus faz duas perguntas: "Por que me procuravam?
  Não sabiam que eu devo estar naquilo que é de meu Pai?"

 * São as primeiras palavras de Jesus, no Evangelho de Lucas.
    Elas têm um sentido mais profundo do que um simples relato:
    Deus é o verdadeiro PAI de Jesus e a sua prioridade fundamental
    é realizar a missão confiada pelo Pai.

- Os Pais não souberam responder: "Não compreenderam,
  mas guardavam todas essas coisas no coração."
  Jesus é obediente ao Pai, embora pareça desobediente a eles...
- E o texto conclui dizendo:
   "Jesus voltou a Nazaré com seus pais... e permaneceu obediente a eles...
   e crescia em sabedoria, em idade e em graça... diante de Deus e dos homens."

* OBEDECER significa acolher os ensinamentos e manter fidelidade a Deus.

+ A Família não é mais aquela:

Sobre o tema, o Pe. Virgílio escreveu um belo artigo, que apresento em parte:

Não adianta se iludir: a família cristã não é mais aquela.
E, talvez, nunca mais ela volte a ser a mesma de outrora.
À semelhança da liturgia e da catequese,
a família também percorre o caminho da renovação,
em busca de um novo modo de ser...

Firmes precisam permanecer os valores fundamentais,
como o amor, a fidelidade, a indissolubilidade,
enquanto outros serão fatalmente substituídos.

Assim a obediência dos filhos passará a ser "colaboração".
A autoridade paterna cederá o lugar ao "serviço".
Os filhos deixarão de ser propriedade da família,
para se tornarem membros da comunidade...
A profissão dos filhos não será imposta pelos pais,
de acordo com seus pontos de vista ou suas ambições.
Os filhos vão optar, de acordo com suas aspirações.
A formação e a orientação dos filhos não serão mais
à base de sermões, preceitos e imposições,
e sim de exemplos e do testemunho.
No caso em que o testemunho de vida vier a faltar,
os pais perderão toda a credibilidade e
os filhos acabarão tomando rumos traiçoeiros...

A coragem para se renovar, e assim sobreviver,
a família vai encontrá-la no exemplo da Família de Nazaré.
 Maria jamais considerou seu Filho como propriedade exclusiva
e nunca interferiu na perigosa missão que ele livremente assumiu.
Ainda que, por causa disso,
ela acabasse com o coração traspassado por uma espada de dor,
ao encontrá-lo lá onde nenhuma mãe gostaria de encontrar seu filho:
suspenso numa cruz...

Mas a vida cristã, do serviço e do amor, também é uma cruz.
E nós vamos abraçá-la, assim como Jesus e Maria!

                                     Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 30.12.2012

Sagrada Família - 30/12/2012


Sagrada Família

30 de Dezembro


Sagrada FamíliaSe o Natal tiver sido ao domingo; não tendo sido assim, a Sagrada Família celebrar-se-á no domingo dentro da Oitava do Natal.

Da alocução de Paulo VI, Papa, em Nazaré, 5.1.1964:

O exemplo de Nazaré:

Nazaré é a escola em que se começa a compreender a vida de Jesus, é a escola em que se inicia o conhecimento do Evangelho. Aqui se aprende a observar, a escutar, a meditar e a penetrar o significado tão profundo e misterioso desta manifestação do Filho de Deus, tão simples, tão humilde e tão bela. Talvez se aprenda também, quase sem dar por isso, a imitá-la.
Aqui se aprende o método e o caminho que nos permitirá compreender facilmente quem é Cristo. Aqui se descobre a importância do ambiente que rodeou a sua vida, durante a sua permanência no meio de nós: os lugares, os tempos, os costumes, a linguagem, as práticas religiosas, tudo o que serviu a Jesus para Se revelar ao mundo. Aqui tudo fala, tudo tem sentido. Aqui, nesta escola, se compreende a necessidade de ter uma disciplina espiritual, se queremos seguir os ensinamentos do Evangelho e ser discípulos de Cristo. Quanto desejaríamos voltar a ser crianças e acudir a esta humilde e sublime escola de Nazaré! Quanto desejaríamos começar de novo, junto de Maria, a adquirir a verdadeira ciência da vida e a superior sabedoria das verdades divinas!
Mas estamos aqui apenas de passagem e temos de renunciar ao desejo de continuar nesta casa o estudo, nunca terminado, do conhecimento do Evangelho. No entanto, não partiremos deste lugar sem termos recolhido, quase furtivamente, algumas breves lições de Nazaré.
Em primeiro lugar, uma lição de silêncio. Oh se renascesse em nós o amor do silêncio, esse admirável e indispensável hábito do espírito, tão necessário para nós, que nos vemos assaltados por tanto ruído, tanto estrépito e tantos clamores, na agitada e tumultuosa vida do nosso tempo. Silêncio de Nazaré, ensina-nos o recolhimento, a interioridade, a disposição para escutar as boas inspirações e as palavras dos verdadeiros mestres. Ensina-nos a necessidade e o valor de uma conveniente formação, do estudo, da meditação, da vida pessoal e interior, da oração que só Deus vê.
Uma lição de vida familiar. Que Nazaré nos ensine o que é a família, a sua comunhão de amor, a sua austera e simples beleza, o seu caráter sagrado e inviolável; aprendamos de Nazaré como é preciosa e insubstituível a educação familiar e como é fundamental e incomparável a sua função no plano social.
Uma lição de trabalho. Nazaré, a casa do Filho do carpinteiro! Aqui desejaríamos compreender e celebrar a lei, severa mas redentora, do trabalho humano; restabelecer a consciência da sua dignidade, de modo que todos a sentissem; recordar aqui, sob este teto, que o trabalho não pode ser um fim em si mesmo, mas que a sua liberdade e dignidade se fundamentam não só em motivos econômicos, mas também naquelas realidades que o orientam para um fim mais nobre. Daqui, finalmente, queremos saudar os trabalhadores de todo o mundo e mostrar-lhes o seu grande Modelo, o seu Irmão divino, o Profeta de todas as causas justas que lhes dizem respeito, Cristo Nosso Senhor.

João Paulo II, na Carta dirigida à família, por ocasião do Ano Internacional da Família, 1994, escreve:

A Sagrada Família é a primeira de tantas outras famílias santas. O Concílio recordou que a santidade é a vocação universal dos batizados (LG 40). Como no passado, também na nossa época não faltam testemunhas do "evangelho da família", mesmo que não sejam conhecidas nem proclamadas santas pela Igreja...

A Sagrada Família, imagem modelo de toda a família humana, ajude cada um a caminhar no espírito de Nazaré; ajude cada núcleo familiar a aprofundar a própria missão civil e eclesial, mediante a escuta da Palavra de Deus, a oração e a partilha fraterna da vida! Maria, Mãe do amor formoso, e José, Guarda e Redentor, nos acompanhem a todos com a sua incessante proteção.


Sagrada Família de Nazaré, rogai por nós!







sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Os Santos Inocentes - 28/12/2012


Os Santos Inocentes

28 de Dezembro


Os Santos InocentesA festa de hoje, instituída pelo Papa São Pio V, ajuda-nos a viver com profundidade este tempo da Oitava do Natal. Esta festa encontra o seu fundamento nas Sagradas Escrituras. Quando os Magos chegaram a Belém, guiados por uma estrela misteriosa, "encontraram o Menino com Maria e, prostrando-se, adoraram-No e, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes - ouro, incenso e mirra. E, tendo recebido aviso em sonhos para não tornarem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra. Tendo eles partido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: 'Levanta-te, toma o Menino e sua mãe e foge para o Egito, e fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o Menino para o matar'. E ele, levantando-se de noite, tomou o Menino e sua mãe, e retirou-se para o Egito. E lá esteve até à morte de Herodes, cumprindo-se deste modo o que tinha sido dito pelo Senhor por meio do profeta, que disse: 'Do Egito chamarei o meu filho'. Então Herodes, vendo que tinha sido enganado pelos Magos, irou-se em extremo e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e arredores, de dois anos para baixo, segundo a data que tinha averiguado dos Magos. Então se cumpriu o que estava predito pelo profeta Jeremias: 'Uma voz se ouviu em Ramá, grandes prantos e lamentações: Raquel chorando os seus filhos, sem admitir consolação, porque já não existem'" (Mt 2,11-20) Quanto ao número de assassinados, os Gregos e o jesuíta Salmerón (1612) diziam ter sido 14.000; os Sírios 64.000; o martirológio de Haguenau (Baixo Reno) 144.000. Calcula-se hoje que terão sido cerca de vinte ao todo. Foram muitas as Igrejas que pretenderam possuir relíquias deles.

Na Idade Média, nos bispados que possuíam escola de meninos de coro, a festa dos Inocentes ficou sendo a destes. Começava nas vésperas de 27 de dezembro e acabava no dia seguinte. Tendo escolhido entre si um "bispo", estes cantorzinhos apoderavam-se das estolas dos cônegos e cantavam em vez deles. A este bispo improvisado competia presidir aos ofícios, entoar o Inviatório e o Te Deum e desempenhar outras funções que a liturgia reserva aos prelados maiores. Só lhes era retirado o báculo pastoral ao entoar-se o versículo do Magnificat: Derrubou os poderosos do trono, no fim das segundas vésperas. Depois, o "derrubado" oferecia um banquete aos colegas, a expensas do cabido, e voltava com eles para os seus bancos. Esta extravagante cerimônia também esteve em uso em Portugal, principalmente nas comunidades religiosas.

A festa de hoje também é um convite a refletirmos sobre a situação atual desses milhões de "pequenos inocentes": crianças vítimas do descaso, do aborto, da fome e da violência. Rezemos neste dia por elas e pelas nossas autoridades, para que se empenhem cada vez mais no cuidado e no amor às nossas crianças, pois delas é o Reino dos Céus. Por estes pequeninos, sobretudo, é que nós cristãos aspiramos a um mundo mais justo e solidário.

Santos Inocentes, rogai por nós!



Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/liturgia/santo/index.php?&dia=28&mes=12&ano=2012

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Santo do Dia 27/12/2012 - São João Evangelista


São João Evangelista

27 de Dezembro


São João EvangelistaO nome deste evangelista significa: "Deus é misericordioso":uma profecia que foi se cumprindo na vida do mais jovem dos apóstolos. Filho de Zebedeu e de Salomé, irmão de Tiago Maior, ele também era pescador, como Pedro e André; nasceu em Betsaida e ocupou um lugar de primeiro plano entre os apóstolos.

Jesus teve tal predileção por João que este assinalava-se como "o discípulo que Jesus amava". O apóstolo São João foi quem, na Santa Ceia, reclinou a cabeça sobre o peito do Mestre e, foi também a João, que se encontrava ao pé da Cruz ao lado da Virgem Santíssima, que Jesus disse: "Filho, eis aí a tua mãe" e, olhando para Maria disse: "Mulher, eis aí o teu filho". (Jo 19,26s).

Quando Jesus se transfigurou, foi João, juntamente com Pedro e Tiago, que estava lá. João é sempre o homem da elevação espiritual, mas não era fantasioso e delicado, tanto que Jesus chamou a ele e a seu irmão Tiago de Boanerges, que significa "filho do trovão".

João esteve desterrado em Patmos, por ter dado testemunho de Jesus. Deve ter isto acontecido durante a perseguição de Domiciano (81-96 dC). O sucessor deste, o benigno e já quase ancião Nerva (96-98), concedeu anistia geral; em virtude dela pôde João voltar a Éfeso (centro de sua atividade apostólica durante muito tempo, conhecida atualmente como Turquia). Lá o coloca a tradição cristã da primeiríssima hora, cujo valor histórico é irrecusável.

O Apocalipse e as três cartas de João testemunham igualmente que o autor vivia na Ásia e lá gozava de extraordinária autoridade. E não era para menos. Em nenhuma outra parte do mundo, nem sequer em Roma, havia já apóstolos que sobrevivessem. E é de imaginar a veneração que tinham os cristãos dos fins do século I por aquele ancião, que tinha ouvido falar o Senhor Jesus, e O tinha visto com os próprios olhos, e Lhe tinha tocado com as próprias mãos, e O tinha contemplado na sua vida terrena e depois de ressuscitado, e presenciara a sua Ascensão aos céus. Por isso, o valor dos seus ensinamentos e o peso de das suas afirmações não podiam deixar de ser excepcionais e mesmo únicos.

Dele dependem (na sua doutrina, na sua espiritualidade e na suave unção cristocêntrica dos escritos) os Santos Padres daquela primeira geração pós-apostólica que com ele trataram pessoalmente ou se formaram na fé cristã com os que tinham vivido com ele, como S. Pápias de Hierápole, S. Policarpo de Esmirna, Santo Inácio de Antioquia e Santo Ireneu de Lião. E são estas precisamente as fontes donde vêm as melhores informações que a Tradição nos transmitiu acerca desta última etapa da vida do apóstolo.

São João, já como um ancião, depara-se com uma terrível situação para a Igreja, Esposa de Cristo: perseguições individuais por parte de Nero e perseguições para toda a Igreja por parte de seu sucessor, o Imperador Domiciano.

Além destas perseguições, ainda havia o cúmulo de heresias que desentranhava o movimento religioso gnóstico, nascido e propagado fora e dentro da Igreja, procurando corroer a essência mesma do Cristianismo.

Nesta situação, Deus concede ao único sobrevivente dos que conviveram com o Mestre, a missão de ser o pilar básico da sua Igreja naquela hora terrível. E assim o foi. Para aquela hora, e para as gerações futuras também. Com a sua pregação e os seus escritos ficava assegurado o porvir glorioso da Igreja, entrevisto por ele nas suas visões de Patmos e cantado em seguida no Apocalipse.

Completada a sua obra, o santo evangelista morreu quase centenário, sem que nós saibamos a data exata. Foi no fim do primeiro século ou, quando muito, nos princípios do segundo, em tempo de Trajano (98-117 dC).

Três são as obras saídas da sua pena incluídas no cânone do Novo Testamento: o quarto Evangelho, o Apocalipse e as três cartas que têm o seu nome.


São João Evangelista, rogai por nós!






quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Bento XVI: Maria é bem-aventurada por sua fé firme em Deus


Em suas palavras prévias à oração do Ângelus diante dos milhares de fiéis reunidos na Praça de São Pedro, por ocasião da Solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Bento XVI afirmou que a Virgem é "bem-aventurada" porque "acreditou, porque teve uma fé firme em Deus".
O Santo Padre assinalou que "neste Ano da fé queria sublinhar que Maria é a Imaculada por um dom gratuito da graça de Deus, mas que nela encontrou perfeita disponibilidade e colaboração".
"A Imaculada demonstra que a Graça é capaz de suscitar uma resposta, que a fidelidade de Deus sabe gerar uma fé verdadeira e boa".
O Papa explicou também que "Maria representa aquele "resto de Israel", aquela raiz santa que os profetas anunciaram. Nela encontram acolhimento as promessas da antiga Aliança".
"Em Maria a Palavra de Deus encontra escuta, recepção, resposta, encontra aquele ‘sim’ que a permite tomar carne e vir habitar em meio a nós".
Bento XVI indicou que "em Maria a humanidade, a história se abrem realmente a Deus, acolhem a sua graça, estão dispostas a fazer a sua vontade. Maria é expressão genuína da Graça".
"Ela representa o novo Israel, que as Escrituras do Antigo Testamento descrevem com o símbolo da esposa. E São Paulo retoma esta linguagem na Carta aos Efésios lá onde fala do matrimônio e diz que "Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível".
O Papa indicou que "Os Padres da Igreja desenvolveram esta imagem e assim a doutrina da Imaculada nasceu primeiro em referência à Igreja virgem-mãe, e depois a Maria. Assim escreve poeticamente Efrem o Sírio: "Como os corpos pecaram e morreram, e a terra, sua mãe, é maldita, (cfr Gen 3,17-19), assim por causa deste corpo que é a Igreja incorruptível, sua terra é bendita desde o início. Esta terra é o corpo de Maria, templo no qual uma semente foi colocada".
Bento XVI recordou também que "A luz que emana da figura de Maria nos ajuda também a compreender o verdadeiro sentido do pecado original. Em Maria, de fato, é plenamente viva e operante aquela relação com Deus que o pecado rompe", assinalou.
"Nela não tem alguma oposição entre Deus e o seu ser: tem plena comunhão, plena concordância. Tem um "sim" recíproco, entre Deus e ela e ela e Deus. Maria é livre do pecado porque é toda de Deus, totalmente esvaziada por Ele. É cheia de sua Graça, do seu Amor".
Como conclusão, o Papa sublinhou que "a doutrina da Imaculada Conceição de Maria exprime a certeza de fé que as promessas de Deus foram realizadas: que a sua aliança não falha, mas produziu uma raiz santa, da qual brotou o Fruto bendito de todo o universo, Jesus, o Salvador. A Imaculada está a demonstrar que a Graça é capaz de suscitar uma resposta, que a fidelidade de Deus sabe gerar uma fé verdadeira e boa.".
"Sigamos o exemplo da Mãe de Deus, para que também em nós a graça do Senhor encontre resposta em uma fé genuína e fecunda", finalizou.
Fonte: ACI/EWTN Noticias

Santo do Dia 26/12/2012 - Santo Estêvão


Santo Estêvão

26 de Dezembro



Santo EstêvãoNos capítulos 6 e 7 dos Atos dos Apóstolos encontramos um longo relato sobre o martírio de Estêvão, que é um dos sete primeiros Diáconos nomeados e ordenados pelos Apóstolos. Santo Estêvão é chamado de Protomártir, ou seja, ele foi o primeiro mártir de toda a história católica. O seu martírio ocorreu entre o ano 31 e 36 da era cristã. Eis a descrição, tirada do livro dos Atos dos Apóstolos:

"Estêvão, porém, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Levantaram-se então alguns da sinagoga, chamados dos Libertos e dos Cirenenses e dos Alexandrinos, e dos da Cicília e da Ásia e começaram a discutir com Estêvão, e não puderam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. Subornaram então alguns homens que disseram: 'Ouvimo-lo proferir palavras blasfematórias contra Moisés e contra Deus'. E amotinaram o povo e os Anciãos e Escribas e apoderaram-se dele e conduziram-no ao Sinédrio; e apresentaram falsas testemunhas que disseram: 'Este homem não cessa de proferir palavras contra o Lugar Santo e contra a Lei; pois, ouvimo-lo dizer que Jesus, o Nazareno, destruirá este Lugar e mudará os usos que Moisés nos legou'. E todos os que estavam sentados no Sinédrio, tendo fixado os olhares sobre ele, viram o seu rosto como o rosto de um anjo".

Num longo discurso, Estêvão evoca a história do povo de Israel, terminando com esta veemente apóstrofe:

"'Homens de cerviz dura, incircuncisos de coração e de ouvidos, resistis sempre ao Espírito Santo, vós sois como os vossos pais. Qual dos profetas não perseguiram os vossos pais, e mataram os que prediziam a vinda do Justo que vós agora traístes e assassinastes? Vós que recebestes a Lei promulgada pelo ministério dos anjos e não a guardastes'. Ao ouvirem estas palavras, exasperaram-se nos seus corações e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, cheio do Espírito Santo, tendo os olhos fixos no céu, viu a glória de Deus e Jesus que estava à direita de Deus e disse: 'Vejo os céus abertos e o Filho do homem que está à direita de Deus'. E levantando um grande clamor, fecharam os olhos e, em conjunto, lançaram-se contra ele. E lançaram-no fora da cidade e apedrejaram-no. E as testemunhas depuseram os seus mantos aos pés de um jovem, chamado Saulo. E apedrejavam Estêvão que invocava Deus e dizia: 'Senhor Jesus, recebe o meu espírito'. Depois, tendo posto os joelhos em terra, gritou em voz alta: 'Senhor, não lhes contes este pecado'. E dizendo isto, adormeceu".

Santo Estêvão, rogai por nós!



Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/liturgia/santo/index.php?&dia=26&mes=12&ano=2012

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Envolto em panos


É NATAL! Renasce em nós a Esperança.
A humanidade recebe de Deus o maior dos presentes:
o MENINO de Belém.
Ele se fez nosso irmão para nos tornar
verdadeiramente filhos de Deus

As Leituras bíblicas  falam desse fato...

A 1a Leitura anuncia a chegada de um MENINO. (Is 9,1-6)

A um povo que enfrentava uma situação terrível de opressão
Isaías dirige palavras carregadas de esperança:
"O povo que andava nas trevas verá uma grande Luz..." 

- Que luz é essa? Ele mesmo responde:
A Luz será um MENINO que está para nascer, da descendência de Davi.
Será sábio como Salomão e valente como Davi.
Durante esse reinado os instrumentos de guerra serão destruídos.
Desaparecerão os sinais de exploração e de violência. 
Esse "menino" é um dom de Deus ao seu Povo
e, com ele, Deus residirá no meio do seu povo,
outorgando-lhe a justiça e a felicidade para sempre.

Por isso, o povo ficou na expectativa e esperava por reis fortes,
ricos e poderosos, que pudessem realizar esse sonho...

A 2ª Leitura lembra que acolher a Salvação de Deus, trazida por Jesus,
significa renunciar aos valores do mundo e
assumir a proposta do MENINO de Belém. (Ts 2,11-14)

O Evangelho narra o fato anunciado pelos profetas e ansiosamente
aguardado pelo Povo de Deus: o Nascimento de Jesus. (Lc 2,1-14)

O quadro mostra simplicidade:
- Belém: pequeno povoado, desconhecido pelos povos:
  Aí nasceria o Messias, anunciado pelos profetas, da descendência de Davi...
- O Local: uma gruta humilde e solitária.
- O Sinal deixado para identificá-lo: uma criança simples e frágil,
  envolta em panos, depositada numa pobre Manjedoura...

*Deus vem ao encontro dos homens com uma proposta de Salvação e felicidade, através da simplicidade, da fraqueza e da ternura de uma "criança",
que ainda hoje estende os braços, pedindo a nossa colaboração
para crescer e se desenvolver.

- As Testemunhas do nascimento são Pastores,
  gente humilde, violenta e marginalizada da sociedade de então...
* Para estes marginalizados, a chegada de Jesus é uma "boa notícia",
   recebida com alegria: chegou a libertação.
Deus não os rejeita e lhes apresenta uma proposta de salvação
para integrar a comunidade da Nova Aliança, a comunidade do Reino.

+ O menino de Belém leva-nos a contemplar o incrível amor de Deus
que se preocupa com a vida e a felicidade dos homens...

+ O presépio apresenta-nos a lógica de Deus:
a salvação de Deus não se manifesta na força e no poder...
mas na fragilidade, na ternura, na simplicidade,
na dependência de uma criança recém-nascida.

+ A presença libertadora de Jesus neste mundo é uma “boa notícia”
que deve encher de felicidade os pobres, os fracos, os marginalizados,
e dizer que Deus veio ao seu encontro para lhes propor a salvação.
- É essa a nossa proposta de seguidores de Jesus?

+ No Natal, nasce o Deus da Vida,
   para fazer crescer a vida de Deus no meio do povo.
  - Jesus de fato já nasceu na vida de cada um de nós,
    nas nossas casas religiosas, nas nossas comunidades cristãs?

Há dois mil anos, uma família encontrou lugar para Jesus nascer.
Há dois mil anos, portas e corações continuam fechados.

Para muitos, é difícil reconhecer o rosto do Cristo no jeito que ele vem...
Veio como uma criança, como um balbucio, que é fácil de sufocar.
E quantos o sufocam, mesmo no dia de Natal!
Sufocam-no com festas de consumo e de esbanjamento,
de presentes e casas enfeitadas, de bolos e champanhas...

- Muitos até nem sobram tempo para celebrá-lo com a comunidade...
estão muito ocupados... para produzir... para vender... para comer e beber...

- Outros sufocam o Deus menino, impedindo-o de crescer:
Deus permanece criança por toda a sua vida;
uma frágil estatuazinha de gesso, abandonada num caixote,
que se coloca no presépio uma vez por ano.

- E Você, onde está procurando o Cristo, neste Natal?

O Filho de Deus quer nascer dentro de nós e
e na pessoa de cada um de nossos irmãos.

E quando o encontrar, seja você um sinal dessa boa notícia:
um sinal de alegria e de esperança,
no acolhimento dos irmãos, na busca da reconciliação,
na valorização dos pequenos, no testemunho de confiança,
nesse amor de Deus, que por nós se fez criança.

Só assim, hoje será de fato um FELIZ NATAL...
É o que lhes desejo hoje, de todo o coração, a todos vocês...   FELIZ NATAL!...

                                           Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 25.12,2012

ONDE E QUANDO NASCEU JESUS?

Perguntemos a Maria Madalena, onde e quando nasceu Jesus. E ela nos respondera:
– Jesus nasceu em Betânia. Foi certa vez, que a sua voz, tão cheia de pureza e santidade, despertou em mim a sensação de uma vida nova com a qual até então jamais sonhara.

Perguntemos a Pedro quando se deu o nascimento de Jesus. Ele nos responderá:
– Jesus nasceu no pátio do palácio de Caifas, na noite em que o galo cantou pela terceira vez, no momento em que o havia negado. Foi nesse instante que acordou minha consciência para a verdadeira vida.

Perguntemos a Paulo de Tarso, quando se deu o nascimento de Jesus. Ele nos responderá:
– Jesus nasceu na Estrada de Damasco quando, envolvido por intensa luz que me deixou cego, pude ver a figura nobre e serena que me perguntava: “Saulo… Saulo… Porque tu me persegues?”. E na cegueira passei a enxergar um mundo novo quando eu lhe disse: “Senhor, o que queres que eu faça?”.
Perguntemos a Joana de Cusa onde e quando nasceu Jesus. Ela nos respondera:
– Jesus nasceu no dia em que, amarrada ao poste do circo em Roma, eu ouvi o povo gritar: “Negue! Negue!”. E o soldado com a tocha acesa dizendo: “Este teu Cristo ensinou-lhe apenas a morrer?”. Foi nesse instante que, sentindo o fogo subir pelo meu corpo, pude com toda certeza e sinceridade dizer:“Ele não me ensinou só isso; Jesus ensinou-me também a amá-lo, meu amigo”.
Perguntemos a Tomé onde e quando nasceu Jesus. E Ele nos respondera:
– Jesus nasceu naquele dia inesquecível em que ele me pediu para tocar as suas chagas e me foi dado testemunhar que a morte não tinha poder sobre o filho de Deus. Só então compreendi o sentido de suas palavras: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida!”.
Perguntemos à mulher da Samaria o que ela sabe sobre o nascimento de Jesus. Ela nos responderá:
– Jesus nasceu junto à fonte de Jacob na tarde em que me pediu de beber e me disse: “Mulher eu posso te dar a água viva que sacia toda a sede, pois vem do amor de Deus e santifica as criaturas”. Naquela tarde soube que Jesus era realmente um profeta de Deus e lhe pedi: “Senhor dá me desta água”.
Perguntemos a João Batista quando se deu o nascimento de Jesus. Ele nos respondera:
– Jesus nasceu no instante em que, chegando ao rio Jordão, pediu-me que o batizasse. E ante a meiguice do seu olhar e a majestade da sua figura pude ouvir a mensagem do Alto: “Este é o meu Filho Amado, no qual pus a minha complacência!”. Compreendi que chegara o momento de Ele crescer e eu diminuir, para a glória de Deus.
Perguntemos a Lázaro onde e quando nasceu Jesus. Ele nos responderá:
– Jesus nasceu em Betânia, na tarde em que visitou o meu túmulo e disse: “Lázaro! Levanta-te! Sai para fora”. Neste momento compreendi finalmente quem Ele era… A Ressurreição e a Vida!
Perguntemos a Judas Iscariotes quando se deu o nascimento de Jesus. Ele nos respondera:
– Jesus nasceu no instante em que eu assistia ao seu julgamento e a sua condenação. Compreendi que Jesus estava acima de todos os tesouros terrenos.
Perguntemos, finalmente, a Maria de Nazaré onde e quando nasceu Jesus. E Ela nos responderá:
– Jesus nasceu em Belém, sob as estrelas, que eram focos de luzes guiando os pastores e suas ovelhas ao berço de palha. Foi quando O segurei em meus braços pela primeira vez que senti se cumprir a promessa de um novo tempo através daquele Menino que Deus enviara ao mundo, para ensinar aos homens a lei maior do amor.
…E PARA NÓS, QUANDO E ONDE JESUS NASCEU?
Que neste Natal você acolha o maior de todos os presentes:
JESUS CRISTO, o nosso SALVADOR!
Com Ele, com certeza, 2013 será muito mais abençoado!

O NASCIMENTO DE JESUS EM QUADRINHOS




























Gostou? Clique no link abaixo e conheça o blog que publicou essa postagem!
O NASCIMENTO DE JESUS EM QUADRINHOS


http://blogscatolicos.blogspot.com.br/2012/12/o-nascimento-de-jesus-em-quadrinhos.html

Natal do Senhor


Natal do Senhor

25 de Dezembro


Natal do SenhorNeste dia especial, em que toda a Igreja celebra o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, acompanhemos o testemunho da Palavra de Deus a respeito deste acontecimento que transformou a história da humanidade:

"...José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali, completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: 'Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor'." (Lc 2,4-11)

Por isso hoje celebramos a eterna solidariedade do Pai das Misericórdias que, no seu plano de amor, quis o nascimento de Jesus, que é o verdadeiro Sol, a Luz do mundo. Este não é um dia de medo e nem de desespero, é dia de confiança e de esperança, pois Deus veio habitar no meio de nós, e assim encher-nos da certeza de que é possível um mundo novo. Solidário conosco, Ele nos quer solidários neste dia de Glória que refulge ao redor de cada um de nós!

Sendo assim, tudo neste dia só tem sentido se apontar para o grande aniversariante deste dia: o Menino Deus! Presépios, árvores, enfeites, banquetes e os presentes natalícios representam os presentes que os Reis Magos levaram até Jesus, mas não são estes símbolos a essência do Natal. O importante, o essencial, é que Cristo realmente nasça em nossos corações de uma maneira nova, renovadora, e que a partir daí, possamos sempre caminhar na sua luz solidária deste Deus Único e Verdadeiro, que nos quer também solidários uns com os outros!

Vivamos com muita alegria este dia solidário, que o Senhor fez para nós!


Um Santo Natal para você e para a sua família!


Evangelho do Dia 25 de Dezembro de 2012


Evangelho (João 1,1-18)

Terça-Feira, 25 de Dezembro de 2012
Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo - Missa do Dia



— O Senhor esteja convosco. 
— Ele está no meio de nós. 
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

1No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. 2No princípio estava ela com Deus. 3Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. 
4Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la. 6Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João.7Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: 9daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano. 
10A Palavra estava no mundo — e o mundo foi feito por meio dela — mas o mundo não quis conhecê-la. 11Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. 
12Mas, a todos que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, 13pois estes não nasceram do sangue nem da vontade da carne nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo. 
14E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. 15Dele, João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim”. 16De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. 17Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. 18A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer. 

- Palavra da Salvação. 
- Glória a vós, Senhor.

http://www.cancaonova.com/portal/canais/liturgia/index.php?&dia=25&mes=12&ano=2012

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...