Pesquisar este blog

Compartilhe



terça-feira, 31 de maio de 2011

Santo do Dia - 31/05

Visitação de Nossa Senhora

Sabemos que Nossa Senhora foi visitada pelo Arcanjo Gabriel com esta mensagem de amor, com esta proposta de fazer dela a mãe do nosso Salvador. E ela aceitou. E aceitar Jesus é estar aberto a aceitar o outro. O anjo também comunicou a ela que sua parenta - Santa Isabel - já estava grávida. Aí encontramos o testemunho da Santíssima Virgem - no Evangelho de São Lucas no capitulo 1, - quando depois de andar cerca de 100 km ela encontrou-se com Isabel.

Nesta festa, também vamos descobrindo a raiz da nossa devoção a Maria. Ela cantou o Magnificat, glorificando a Deus. Em certa altura ela reconheceu sua pequenez, e a razão pela qual devemos ter essa devoção, que passa de século a século.

“Porque olhou para sua pobre serva, por isso, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações.” (Lucas 1,48)

A Palavra de Deus nos convida a proclamarmos bem-aventurada aquela que, por aceitar Jesus, também se abriu à necessidade do outro. É impossível dizer que se ama a Deus, se não se ama o outro. A visitação de Maria a sua prima nos convoca a essa caridade ativa. A essa fé que se opera pelo amor. Amor que o outro tanto precisa.

Quem será que precisa de nós?

Peçamos a Virgem Maria que interceda por nós junto a Jesus, para que sejamos cada vez mais sensíveis à dor do outro. Mas que a nossa sensibilidade não fique no sentimentalismo, mas se concretize através da caridade.

Virgem Maria, Mãe da visitação, rogai por nós!

Roteiro de Oração para o Período Pascal - 38º Dia



Oração para todos os dias

Pai, quero me tornar verdadeiramente um adorador em espírito e verdade. Para tanto, ó Espírito Santo, conduze-me ao Cenáculo interior em meu coração. Mestre Jesus, Sintonizado com meu ser, quero me colocar ao teu dispor durante este tempo. Como os discípulos, também eu preciso ser restaurado, curado e liberto por teu amor. Espírito Santo, opera nas áreas profundas de meu ser. Prepara esse vaso frágil e ferido que sou eu. Quero ser um instrumento em tuas mãos. Maria, tu que foste a criatura que mais plenamente provou a ação do Espírito Santo em teu ser, Intercede por mim. AMÉM.

V- Da Oração em Espírito e Verdade

38º Dia: Terça, 31 de Maio

O Espírito nos leva a adorar, unindo-nos intimamente a Jesus.
Leia: João 15, 1-8.


___________________________________________________________________
Este roteiro foi copiado do Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Glória "Novo Tempo".

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Roteiro de Oração para o Período Pascal - 37º Dia



Oração para todos os dias

Pai, quero me tornar verdadeiramente um adorador em espírito e verdade. Para tanto, ó Espírito Santo, conduze-me ao Cenáculo interior em meu coração. Mestre Jesus, Sintonizado com meu ser, quero me colocar ao teu dispor durante este tempo. Como os discípulos, também eu preciso ser restaurado, curado e liberto por teu amor. Espírito Santo, opera nas áreas profundas de meu ser. Prepara esse vaso frágil e ferido que sou eu. Quero ser um instrumento em tuas mãos. Maria, tu que foste a criatura que mais plenamente provou a ação do Espírito Santo em teu ser, Intercede por mim. AMÉM.

V- Da Oração em Espírito e Verdade

37º Dia: Segunda, 30 de Maio

O Espírito nos leva a adorar, contemplando Deus na natureza.
Leia: Salmo 8


___________________________________________________________________
Este roteiro foi copiado do Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Glória "Novo Tempo".

Santo do Dia - 30/05

Santa Joana d`Arc, Virgem

A donzela suscitada por Deus para libertar a França dos ingleses, depois de vencer as resistências dos que não queriam reconhecer a sua missão, conseguiu obter vitórias espantosas sobre os invasores e obteve a coroação do rei Carlos VII em Reims. Sua obra parecia terminada, mas Deus ainda queria dela um sacrifício supremo. Traída e entregue aos ingleses, foi julgada iniquamente e queimada como feiticeira. Mais tarde a Igreja a reabilitou e reconheceu a heroicidade de suas virtudes. Foi beatificada em 1909, pelo Papa São Pio X, e canonizada por Bento XV em 1920.

(Fonte: "Cada dia tem seu Santo", de A. de França Andrade - Artpress)

São Fernando

Nasceu na Espanha no ano de 1198 na família real, e ele fugiu daquilo que poderia perverter sua vida moral.
Tinha grande amor a Virgem Santíssima, porque ficou muito enfermo quando pequeno, e pela intercessão de Nossa Senhora ele recuperou a saúde. Um jovem mariano e eucarístico.
Fernando descobriu sua vocação ao matrimônio e casou-se com Beatriz, e teve 13 filhos. Assumiu o reinado e não descuidou de seu povo, tratando-os como filhos, em especial os pobres.
Viveu um reinado justo, marcado pela fé, caridade e esperança.
Com a saúde fragilizada aos 54 anos, pegou uma grave enfermidade, recebeu os sacramentos e quis comungar Jesus Eucarístico de joelhos, num ato de adoração. Abraçou a cruz, aconselhou os filhos e partiu para a glória.
São Fernando, rogai por nós!

domingo, 29 de maio de 2011

A Missa: Um verdadeiro banquete espiritual

Muitos me perguntam... "Por que ir a Missa?". Para mim isso soa como essa pergunta: "Por que comer?". Se você não se alimenta fica fraco, adoece e pode até morrer. O mesmo acontece com sua alma. Sua alma enfraquece e fica pré-disposta a infecções: o pecado e a falta de caridade. Quanto menos nos aproximamos de Deus, mais afastados ficamos dos seus ensinamentos e da iluminação do Espírito Santo. Podemos, sim, nos alimentar com nossas orações pessoais e leituras bíblicas, mas nenhuma alimenta tão bem como a Missa. Ela é uma refeição completa; as outras são apenas lanchinhos que também não devem ser dispensados. A Missa é uma refeição de QUATRO partes:

1ª - Ritos Iniciais / A preparação

Você vai fazer um jantar especial em sua casa. O que você faz? PREPARA a refeição, ARRUMA  A CASA, LIMPA AS SUJEIRAS e ajeita a MESA. O mesmo acontece com você na primeira parte da missa, com a abertura, ato penitencial e glória. Você se prepara, arruma a sua casa espiritual e a limpa com o perdão de Deus. Como você arruma gloriosamente a mesa, na missa você louva com o Glória a Deus. Você é, pertence e faz parte da mesa.

2ª - Liturgia da Palavra / Forrando o estômago com o saudável

Como o jantar não está pronto e os convidados já estão sentindo um pouco de fome, você serve os petiscos e bebidas. São gostosos, forram o estômago, matam a sede e distraem os convidados. O mesmo acontece na celebração da Palavra. O povo de Deus muitas vezes sentiu fome e sede de sua palavra e o Pai os confortou. Também está escrito: "Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Dt 8,3). Pela palavra também lembramos dos dizeres de Jesus: "Todo aquele que beber desta água tornará a ter sede, mas o que beber da água que eu lhe der jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser nele fonte de água, que jorrará até a vida eterna". As palavras de Deus nos fortificam e nos dão várias lições e reflexões. Um aprendizado essencial para nossa vida. Mas como mastigamos tudo isso? A HOMILIA. Ela é indispensável numa missa. Sem ela, nós vamos engolir, engolir e engolir o alimento e a digestão não vai ser bem feita. Apenas estudiosos e conhecedores da Bíblia, no caso o sacerdote, podem dar a interpretação correta das passagens.

3º - Liturgia Eucarística / O Prato Principal

Todos sentam a mesa e fazem a refeição. É deliciosa e todos comem bem. O principal alimento do corpo. A Eucaristia é o principal alimento da alma. Esse alimento só se obtém presencialmente, ou seja, você deve ir até a hóstia ou ela até você. Não é algo que se lê, assiste ou ouve, e sim que se comunga. Como Cristo em forma de pão se apresenta a nós e, como resposta, nós nos apresentamos a ele. Eucaristia significa Eu = verdadeiro, caristia = corpo ou então "Ação de Graças". "Ação" lembra-nos de "Verbo" e Cristo é o "Verbo Divino"; Então, por meio da Graça, Cristo age em nós de forma Divina na Hóstia consagrada. Não é um alimento magnífico para nossa alma, meu irmão? Busque-o famintamente e com todo o carinho SEMPRE!

4º - Ritos Finais / A Sobremesa

Uma sobremesa é o que não falta num bom jantar, não é? Algo para adoçar a boca para que todos que voltarem para casa voltem satisfeitos e com vontade de voltar outra vez para sua casa. Fora as crianças que recebem a bênção de seus pais antes de dormir ao término do jantar. Nos Ritos Finais nós temos a sobremesa: A Bênção. Às vezes, vejo muitos fiéis pedindo ao padre: "Padre, SUA bênção". Particularmente não gosto muito desse modo de dizer, porque a benção não é do padre, mas sim de Deus. O padre é apenas um intermediário. Era muito comum nos antigos (pode-se ver no Antigo Testamento), quando o pai da família ia morrer, chamava seu filho herdeiro e lhe dava a bênção. Isso significava que seus bens ficavam para seu filho. O padre, ao dar a bênção, está dando a nós, filhos, a herança de Deus Pai. Qual é essa herança? A Sua proteção para nós, Seu amor, Sua misericórdia e Sua interseção plena para que sejamos salvos na Sua Glória. Que lindo não? É todo apreço do Pai para nós, seus filhinhos!

Na Missa você vê pratos saudáveis e prazerosos para a alma. Ali você vê a sua santificação. Agora sou eu que lhe pergunto: "Existe algum motivo para não querer ir a missa?"

João Paulo Radd
Administrador do Blog

Igrejas cristãs iniciam Semana pela Paz na Palestina e Israel

Da Redação CN, com Agência Ecclesia

Palestina e Israel
O Conselho Mundial de Igrejas e organizações a ele ligadas participam a partir deste domingo, 29, da Semana Mundial pela Paz na Palestina e Israel, que decorre até o sábado, 4.
“O sonho de uma nação não pode ser realizado à custa de outra”, refere uma nota enviada pela Pax Christi, movimento católico que participa na iniciativa, aludindo à presença militar de Israel em territórios reclamados pela Palestina.

"Rockets e mísseis continuam a cair nos dois lados. A miséria é o cotidiano em Gaza e na Cisjordânia. Os civis separados por um muro erguido pela mão humana não estão a salvo nem em segurança, e vivem as suas vidas sob o medo. Em vez de mais violência, ambos os lados necessitam urgentemente de uma nova via", lê-se no texto proposto para a vigília de oração.
Os promotores da “semana de ação” sublinham que é tempo de “Palestinianos e Israelitas partilharem uma paz justa”, porem "fim à ocupação”, estabelecerem a “igualdade de direitos para todos” e começarem "a curar as almas feridas”.

A iniciativa apela aos cristãos que rezem com as Igrejas “que vivem sob ocupação” e participem “numa vigília de oração pela paz na Palestina e em Israel”, para a qual se sugere uma celebração litúrgica com testemunhos de jovens daqueles estados.

Feminino e masculino são destaques no Simpósio da Família

Da Redação CN, com CNBB

Dom Orlando Brandes apresenta o novo presidente Comissão Episcopal Pastoral para Vida e a Família, Dom João Carlos Petrini
Na manhã deste sábado, 28, no auditório do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP), começou o 1º Simpósio Nacional da Família, evento que pertence a 3ª Peregrinação Nacional da Família, que segue até amanhã, 29.
Logo no início, o ex-presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da CNBB, Arcebispo de Londrina (PR), Dom Orlando Brandes, fez a acolhida dos mais de 670 pessoas que lotam o auditório e dos sete bispos que vieram prestigiar o evento. Além da acolhida, Dom Orlando fez “solenemente”, como o próprio arcebispo afirmou, a passagem da presidência da Comissão ao novo presidente, oBispo de Camaçari (BA), Dom João Carlos Petrini.
“A nova chefia está aqui. Dom Petrini é, sem dúvida, um dos mais preparados e qualificados a continuar a elevar o nome da Pastoral Familiar e, principalmente da família ao povo brasileiro. Além de ser um excelente bispo, ele é um sociólogo, vai saber atingir o mais profundo ser dentro da Pastoral Familiar. Também tem muitos contatos no Pontifício Conselho para a Vida e a Família, na Santa Sé”, argumentou Dom Orlando.
Dom Petrini, por sua vez, recebeu as palavras de Dom Orlando, agradeceu a todos os presentes e afirmou que sua caminhada está apenas começando, e pediu a  ajuda dos representantes dos 17 regionais da CNBB, que estão presentes no Simpósio, para dar “passos firmes e solidificados” para levar a família aos “mais altos planos de nossa sociedade”.

Simpósio

A membro da Pastoral Familiar do Regional Sul 1 da CNBB (São Paulo), irmã Ivonete Kurten, foi a mediadora da mesa de palestrantes dessa manhã. Os conferencistas da manhã foram o padre Rinaldo Roberto de Rezende, cura da Catedral de São Dimas (São José dos Campos-SP), com a conferência “A missão da família cristã no mundo contemporâneo”, e o padre José Fernandes de Oliveira, mais conhecido como padre Zezinho, com a conferência “Família e transmissão da fé (pais pedagogos).

Confira um pouco do discurso dos sacerdotes:

Padre Rinaldo Rezende
Segundo padre Rinaldo, falou sobre o amor a fidelidade para o casal. Citou por diversas vezes as palavras do Beato João Paulo II e do Papa Bento XVI, também de Madre Tereza da Calcutá e do filósofo alemão, Freiderich Nieschtz. “Amor e fidelidade são para sempre, nosso desafio será solidificar esses sentimentos e, para isso, devemos passar pelo ensinamento dos jovens. Devemos mostrar aos jovens o que é o verdadeiro sentimento da família. Pois quem nunca sofreu, nunca amou, e todos devemos aprender a sofrer para tirarmos os ensinamentos da vida”.
Padre Rinaldo destacou o ser feminino na preservação da família e o papel do homem na fortificação dessa família. “A beleza salvará a humanidade, e a beleza da mulher salvará a humanidade, como Maria, mãe de Jesus. Nós temos uma mãe, e ‘estamos na casa dela’. Já os homens são a fortaleza dos filhos, e os filhos são o futuro de nossa sociedade. Quanto mais o casal se amar, mais vai proclamar e evidenciar Cristo, quanto menos o casal se amar, mais irá escondê-Lo. A Pastoral Familiar é o instituto que afirma que o amor a gente não se faz, se vive”, disse o padre.

Padre Zezinho 

“Amor é diálogo e família é diálogo, se não for esfacela-se, então a palavra principal de um relacionamento é diálogo. Boas relações ensinam boas reações. A família é a única que transmite a vida e dela esse direito é fundamental e intrínseco. O matrimônio é desafio na nossa sociedade, pois os nossos exemplos estão nos terceiros ou quartos matrimônios, são os grandes empresários, políticos, artistas e celebridades, mas a família é o bem maior, por isso demonstrar bons exemplos a humanidade de para sermos parâmetro aos outros”, destacou o padre Zezinho, em sua palestra, que foi interrompida em diversos momentos pelos aplausos da platéia, que ainda destacou a catequese feita pelos pais e a atuação da Igreja na formação da família.

O padre Zezinho destacou as palavras firmes em favor da formação da família. “Precisamos deixar de ser uma Igreja de tintura ou frases bonitinhas para dizer ‘pode’ ou ‘não pode’ em relação à família. Devemos ser firmes para que essa instituição não se perca no tempo. Que pena os documentos da Igreja não são lidos nos púlpitos, mas sim os depoimentos pessoais. Nós precisamos falar do casal de sempre e para sempre, o processo é pedagógico. Devemos valorizar os nossos documentos, os documentos da Igreja, porque ela quer lares proféticos, e os documentos são essa profecia”, explicou padre Zezinho.

Devoção à Maria é aliança para não viver em pecado, diz Papa

Da Redação CN, com Rádio Vaticano


O Pontífice afirmou ainda que a devoção à Virgem Maria ajuda santificar o próximo e alcançar a salvação eterna
O Papa Bento XVI recebeu em audiência, na manhã deste sábado, o Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo Sandri, e, em seguida, um grupo de bispos indianos em visita Ad Limina. 

Recebeu ainda o vigário apostólico de Trípoli, Bispo titular de Tabuda, Dom Giovanni Innocenzo Martinelli, e também o prefeito da Congregação para os Bispos, Cardeal Marc Ouellet. 

Já na parte da tarde, os membros da Congregação Mariana Masculina de Regensburg, da Alemanha, foram acolhidos pelo Santo Padre.

Em seu discurso a eles, lembrou as palavras do Papa Pio XII que, em 1948, em uma de suas encíclicas, falou sobre a devoção à Nossa Senhora. "Cada fiel que dedica à Mãe de Deus uma devoção especial estabelece uma aliança para não viver em pecado e para, com toda a força - sob a proteção de Maria - santificar o próximo e alcançar a salvação eterna", ressaltou o Pontífice.

E também hoje o Santo Padre nomeou dois novos membros para a Congregação para os Bispos - o Prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Mauro Piacenza, e o Bispo Emérito de Viterbo, Dom Lorenzo Chiarinelli -, o novo subsecretário da Congregação para o Clero, monsenhor Antonio Neri, e o Núncio Apostólico na Suíça e no Principado de Lieschtenstein, Dom Diego Causero, até o momento Núncio Apostólico na República Tcheca. 

As provações nos edificam

É muito oportuno que hoje celebrando os 21 anos da Comunidade Obra de Maria, encontramos na liturgia São Paulo, que foi dócil a ação do Espírito Santo, ele que por onde passou fundou tantas comunidades.

Hoje posso dizer que como São Paulo, Gilberto (Fundador da Comunidade Obra de Maria) é um homem dócil, ele pode dizer como Paulo, imitai de mim porque eu imito a Cristo.

No evangelho de hoje somos convidados a viver o que Jesus viveu. “Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro me odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo gostaria daquilo que lhe pertence. Mas, porque não sois do mundo, porque eu vos escolhi e apartei do mundo, o mundo por isso vos odeia.”(João 15,18-19)

Podemos nos questionar porque o mundo nos odeia. Eu tenho para mim que o mundo nos odeia assim como o feio odeia o espelho, porque busca a beleza no lugar errado. A beleza não se encontra no espelho. Cristão incomoda, ilumina.

É fácil ser cristão sem perseguição e sem provação, mas as provações nos edificam. Não desanimem, se sua vida parece só cheia de perseguição, um dia mudará! Olhe São Paulo, ele que era um perseguidor e passou a ser um seguidor.

Deus quer nos levar a plenitude de sua glória.
Se você deixou de ser movido do Espírito Santo, Deus quer que você volte.

O tamanho da sua sede de Deus é o tamanho da graça de Deus. É a sede de Deus que me fez deixar tudo para ser padre, Deus me deu essa sede de buscá-lo diariamente.

Você que deixou o pecado ser maior na sua vida, acredite, Deus te chama hoje, a santidade, Ele te chama para ser feliz.


Transcrição e adaptação:Elcka Torres

Padre José Cláudio 
Sacerdote da Comunidade Obra de Maria

Evangelho (João 14,15-21)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 15Se me amais, guardareis os meus mandamentos, 16e eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor, para que permaneça sempre convosco: 17o Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque ele permanece junto de vós e estará dentro de vós. 18Não vos deixarei órfãos. Eu virei a vós. 19Pouco tempo ainda, e o mundo não mais me verá, mas vós me vereis, porque eu vivo e vós vivereis. 20Naquele dia sabereis que eu estou no meu Pai e vós em mim e eu em vós. 21Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele. 


Experiências com Nossa Senhora

Membros da Com. Obra de Maria falam da experiências que eles fazem com Nossa Senhora.

Homilia do Pe Fernando Cardoso - 29 de maio de 2011

“Se me amais – diz Jesus – observais meus mandamentos. Eu rezarei ao Pai e Ele vos enviará outro Consolador, para que permaneça convosco.” Nós estamos nos preparando para o final do tempo Pascal e a celebração do Pentecostes. Este outro Consolador a que se refere o evangelista e Jesus é, evidentemente, o Seu Espírito Santo. Continua: “não vos deixarei órfãos, vou e volto a vós.”

Em que sentido Jesus vai e volta? Há diversos níveis de intelecção deste versículo, que não se excluem, mas se justapõe. Num primeiro momento, sendo este o discurso de despedida ou adeus, pode o texto referir-se à Paixão; dentro em breve Jesus irá embora com a Sua Paixão, e mais um pouco voltará com a Ressurreição. Eis o primeiro nível de intelecção. Um segundo nível de intelecção: Ele vai embora com a Paixão e Ressurreição, e voltará no final dos tempos. Terceiro nível de intelecção: Ele vai embora com Sua Paixão, morte e Ressurreição e voltará no ato da morte de cada um. Mas eu acredito que exista um quarto nível: Ele Se vai e Ele volta no Paráclito, ou seja, no Espírito Santo Consolador.

Os quatro níveis não se excluem, mas para mim, diretamente visado pelo evangelista, é, no contexto imediato, a volta de Jesus, misteriosa porém real, no Espírito Santo. É uma volta esta distinta de Sua presença terrestre no meio de nós. E por quê? Porque o Espírito Santo, após a Paixão e morte, trará Jesus para o coração da Igreja; trará Jesus para o interior de cada um de nós, e isto é imensamente preferível. É muito melhor ter Jesus dentro do que ter Jesus fora; é muito melhor tê-Lo dentro, com a potência da Ressurreição, do que tê-Lo fora, na limitação de Sua existência terrestre. E por isto mesmo Jesus agora, para o Qual não existem mais os limites do tempo e do espaço, pode habitar o coração de cada um de nós. Ele está aonde Ele quer estar, e cada vez que o invocamos, cada vez que nos colocamos em Sua presença, Ele verdadeiramente Se encontra conosco e vai, pouco a pouco, preparando-nos e capacitando-nos para a outra visão, para a outra comunhão que se dará na Vida Eterna.

Roteiro de Oração para o Período Pascal - 36º Dia



Oração para todos os dias

Pai, quero me tornar verdadeiramente um adorador em espírito e verdade. Para tanto, ó Espírito Santo, conduze-me ao Cenáculo interior em meu coração. Mestre Jesus, Sintonizado com meu ser, quero me colocar ao teu dispor durante este tempo. Como os discípulos, também eu preciso ser restaurado, curado e liberto por teu amor. Espírito Santo, opera nas áreas profundas de meu ser. Prepara esse vaso frágil e ferido que sou eu. Quero ser um instrumento em tuas mãos. Maria, tu que foste a criatura que mais plenamente provou a ação do Espírito Santo em teu ser, Intercede por mim. AMÉM.

IV- Da Meditação do Terço

36º Dia: Domingo, 29 de Maio

O Espírito do Filho de Deus, nascido de mulher, age em nossos corações.
Leia: Gálatas 4, 4-7. Reze um mistério do terço. Veja como se reza o Rosário.


___________________________________________________________________
Este roteiro foi copiado do Informativo da Paróquia Nossa Senhora da Glória "Novo Tempo".

Santo do Dia - 29/05

São Máximo de Trèves, Bispo e Confessor

Bispo de Trèves, destacou-se na luta contra os erros do arianismo. Teve a coragem de acolher Santo Atanásio, bispo de Alexandria, que por ser anti-ariano fora desterrado para Trèves pelo imperador.

sábado, 28 de maio de 2011

O que nos une supera divisão, diz Comissão Anglicana-Católica

Nicole Melhado
Da Redação CN, com Rádio Vaticano (Tradução: equipe CN Notícias)



Os trabalhos da Comissão Internacional Anglicana-Católica foram baseadas no programa estabelecido pelo Papa Bento XVI e pelo Arcebispo Rowan Williams

Foi concluído nesta sexta-feira, 27, o primeiro encontro da terceira fase de diálogo da Comissão Internacional Anglicana-Católica, chamada de Arcic III. Em comunicado, a comissão composta por 18 teólogos católicos e anglicanos concluiu que "aquilo que nos une é maior do que aquilo que nos divide".

A comissão presidida pelo arcebispo anglicano da Nova Zelândia, reverendo David Moxon e pelo arcebispo católico de Birmingham, Dom Bernard Longley estava reunida no Mosteiro de Bose desda terça-feira, 17.

Em comunicado, a comissão revelou que os trabalhos foram baseados no programa estabelecido pelo Papa Bento XVI e pelo Arcebispo Rowan Williams em 2006 e tem como objetivo “o empenho comum para re-estabelecer a plena comunhão na fé e na vida sacramental”.

As discussões foram concentradas em dois temas interdependentes: “A Igreja como comunhão, local e universal” e “Como, na comunhão, a Igreja local e universal vem a discernir o correto ensinamento ético”.

“A comissão foi particularmente ajudada por uma abordagem receptiva ao ecumenismo que busca avançar nos progressos ecumênicos, apreendendo dos nossos parceiros, ao invés de pedir aos nossos parceiros para aprender conosco”, expressaram os teólogos.

O ecumenismo receptivo, explica a comissão, pede mais um exame de consciência e uma conversão interior do que a intensão de converter os outros.

Também no comunicado, a comissão revela que trabalhará para desenvolver uma compreensão teológica sobre a pessoa humana e a sociedade, o que proporcionará uma base para explorar a forma como o ensino da ética está sendo aplicado em nível universal e local.

Este estudo da Arcic III será baseado solidamente na Sagrada Escritura, na tradição e razão, bem como nos trabalhos anteriores da comissão.

“Serão analisadas algumas questões particulares para esclarecer como as nossas duas comunhões abordam assuntos morais e como problemas que causam tensão para os anglicanos e católicos romanos podem ser resolvidos através da aprendizagem mútua”, afirmou o comunicado.

Leia mais
.: Igreja Católica e Comunhão Anglicana avançam no diálogo

.: Anglicanos entram em comunhão com Igreja Católica na Semana Santa
.: Vaticano cria estrutura para receber anglicanos na Igreja Católica
.: 600 anglicanos iniciam caminho de retorno à Igreja Católica.: Canonista explica como anglicanos entram em unidade com a Igreja.: Papa recebe Ordinário de Nossa Senhora de Walsingham

Eis tua Mãe!

Não tenham medo da vida!


A Revista VEJA (ed. 2217; ano 44, n.20 de 18/5/2011, pg. 66) publicou a seguinte notícia, muito importante:
“No mundo há um desperdício de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos anualmente, o que equivale a 1/3 da produção global”.
Preste bem atenção nestes dados. Se considerarmos que uma pessoa consuma cerca de 1 kg de alimento por dia, só esse desperdício daria para alimentar 1,3 trilhão de pessoas em um ano, ou 3,56 bilhões por dia durante um ano inteiro.

Considerando que o mundo tem cerca de 6,2 bilhões de pessoas, só esse desperdício daria para manter mais da metade da população do mundo comendo durante um ano!… Conclusão: Não há falta de alimento no mundo! Sobra!
O que falta então? Falta amor; falta distribuição; falta o que João Paulo II chamava de “globalização da solidariedade”.
Essa curta e grande notícia derruba definitivamente por terra a falácia dos que querem dizer que é preciso controlar drasticamente a natalidade por falta de alimento no mundo. É o contrário, está sobrando alimento no mundo; nos EUA e Europa, em certas épocas, o governo paga aos agricultores para não produzirem, pois não há demanda e o preço cairia muito.
O Papa Paulo VI já dizia que “não se trata de diminuir os comensais na mesa, mas de aumentar a comida”. Esta está sobrando e sendo desperdiçada; mas não chega à mesa de todos por razões de mercado (ganância), de guerra, de falta de meios de distribuição, entre outros.
Deus deu ao homem capacidade de sobra de resolver todos os problemas de sua manutenção neste mundo e deu terra, sol e água de sobra se soubermos usar.
Não há justificativa para o controle drástico da natalidade. Os países da Europa estão envelhecendo tristemente, e logo o Brasil também irá começar a envelhecer, porque, infelizmente, o índice de natalidade aqui já está em 1,8 filhos/mulher, quando o mínimo necessário para se manter o número de habitantes é 2,1 filhos/mulher.
Malthus afirmava que o crescimento da natalidade era uma “bomba” demográfica e que o mundo chegaria ao ano 2000 com 20 bilhões de pessoas, sem condições de alimentá-las; errou redondamente. Não chegou a 6 bilhões. Os catastrofistas de plantão continuam assustando a humanidade com segundas intenções. Ecologistas radicais espalham certo terror infundado.
A América Latina é um continente vazio; temos apenas 20 pessoas por quilômetro quadrado, enquanto o Japão tem 330 e os países da Europa 100, em média. E nesses lugares não existe analfabetismo, dengue, fome, analfabetos e outros males. Os países que mais se desenvolvem no mundo hoje são os que têm maior população: Índia e China, ambos com mais de 1 bilhão de habitantes. E a China acaba de suprimir a política do “filho único” porque está faltando mão de obra.
A Igreja sempre condenou esse controle egoísta e comodista da natalidade, desde que a pílula anticoncepcional foi inventada, em 1967.
Não tenho dúvida de que serão muito felizes os casais cristãos de nosso tempo que tiverem a fé e a coragem de viver a lei de Deus e desafiar esta onda contraceptiva e tiver todos os filhos que puderem criar, sem medo, sem comodismo e sem egoísmo, de acordo com a paternidade responsável ensinada pela Igreja. No Jubileu de 2000 João Paulo II pediu aos casais: “Não tenham medo da vida”.
Vede, os filhos são um dom de Deus: é uma recompensa o fruto das entranhas. Tais como as flechas nas mãos do guerreiro, assim são os filhos gerados na juventude” (Sl 126,3-4).
“Sem crescimento da população não se sairá da crise econômica”, disse o especialista em população Antonio Gaspari (ROMA, 13 de julho de 2009 – ZENIT.org):
O Papa Bento XVI, na Encíclica “Caritas in Veritate”, declarou que:
“A abertura à vida está no centro do verdadeiro desenvolvimento. Quando uma sociedade começa a negar e a suprimir a vida, acaba por deixar de encontrar as motivações e energias necessárias para trabalhar ao serviço do verdadeiro bem do homem” (n. 28).
“Para sair da crise econômica é necessário fazer crescer a população… Considerar o aumento da população como a primeira causa do subdesenvolvimento é errado, inclusive do ponto de vista econômico” (n. 44).
“Os pobres não devem ser considerados um ‘fardo’, mas um recurso, mesmo do ponto de vista estritamente econômico” (n. 35).
E o Catecismo da Igreja Católica ensina que “o filho é o dom mais excelente do matrimônio” (CIC §2378).
É a palavra da Igreja na qual os católicos precisam acreditar e viver.
Professor Felipe Aquino

RELIGIÃO, UMA ‘LOUCURA’ NECESSÁRIA


Quando, em 1999, eu tive o meu encontro pessoal com Jesus, minha vida mudou de forma drástica, direta, da “noite para o dia”. Num piscar de olhos eu já me considerava uma pessoa diferente, um homem novo. Por outro lado, as pessoas do meu convívio social me alertavam o tempo todo sobre a “loucura” da religião.
Ao assistir a momentos de adoração ao Santíssimo Sacramento pela TV Canção Nova, era comum minha mãe me pegar ajoelhado ou prostrado diante da TV (na verdade, era diante de Jesus), assim como era comum ela me dizer que eu estava ficando louco por causa dessas atitudes.
Os críticos da religião dizem que os que creem em Deus ou em alguma divindade sofrem algum tipo de patologia coletiva – e se me vissem, do jeito que minha mãe me via, certamente ficariam contentes com a confirmação da teoria. De certa forma, existe uma verdade nesta crítica, pois todos nós sofremos de um tipo de “loucura”, mas eu diria que uma “loucura necessária”. Se quem crê pode ter algum tipo de loucura, os que não creem mergulham numa loucura muito maior, a qual nos traga, a loucura deste mundo.
Estamos diante de duas loucuras: a “loucura” da religião e a loucura do mundo moderno.
A “loucura” da religião tem lá, sim, os seus excessos, o que chamamos de fundamentalismo, ou seja, a fé sem um pingo de razão ou tolerância. Essa loucura precisa de amadurecimento e reflexão, mas, de modo geral, na religião está presente uma “loucura” que nos faz ir para o além do material, que nos remete ao outro, uma “loucura necessária” para os santos.
Lembremo-nos aqui de alguns loucos que deixaram o seu perfume de santidade no mundo: São Francisco foi um “louco” aos olhos de muitos, deixou toda a sua riqueza e foi viver como mendigo, beijou um leproso, certa vez se jogou numa roseira e, outra, na neve quando o desejo sexual atingiu sua carne. Em poucos anos atraiu milhares de jovens ao seu redor. Santa Terezinha também foi uma “louca” que sofreu e amou até o último dia de sua vida e, sem sair do convento, ficou conhecida no mundo inteiro.
Mas temos também os santos modernos, como a beata Madre Teresa  de Calcutá, que um dia saiu pelas ruas de Calcutá, encontrou um moribundo na rua e, ali na sua “loucura”, encontrou Jesus nele e passou a dedicar a vida aos mais pobres dos pobres. O beato João Paulo II foi também um “louco”, sobreviveu a duas guerras, estudou num seminário de forma clandestina, enfrentou o comunismo, derrubou o Muro de Berlim, sofreu um atentado, perdoou ao homem que tentou matá-lo, ensinou ao mundo como se vive enfermo sem perder a esperança, a caridade e a fé, dentre tantos outros atos de “loucura”.
Já a neurose do mundo moderno é uma loucura de morte; para constatar isso basta ficar 5 minutos na frente da TV, ver as leis contra a vida e a família que tramitam no Congresso, o ritmo com que vivemos na era do consumo, os índices de estresse e depressão que atingem jovens, adultos e idosos. No dito popular, estamos “pirando” com o estilo de vida moderno.
São Paulo disse que jamais o mundo irá compreender esta loucura da santidade: “Mas o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, pois para ele são loucuras” (I Coríntios 2,14). E confirma o que acabo de escrever acima: “Pois a loucura de Deus é mais sábia do que os homens, e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.”
Se a religião é “o ópio do povo”  como dizem os críticos – qual será a definição para o mundo moderno?
Se um dia você ouvir de alguém que a religião é uma neurose coletiva, agradeça, pois esta “neurose” o está livrando de uma outra neurose muito maior, a loucura da cultura de morte.
“Oxalá suportásseis um pouco de loucura de minha parte!” (São Paulo Apóstolo)
Sejamos todos “loucos” pelo Evangelho.
Daniel Machado
Produtor do Destrave

Unidos pela Eucaristia

Monsenhor Jonas Abib
"Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem come deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne, entregue pela vida do mundo" (Jo 6, 51). Cristo falou com clareza. A partir daí começou uma enorme discussão entre os judeus, a pergunta era esta: "Como é que ele pode pode dar a sua carne a comer?" (Jo 6,52). 

Isso tudo nos ajuda muito, pois os judeus entenderam ao pé da letra que era para comer da Carne mesmo e beber do próprio Sangue de Cristo. Ao pé da letra se tornava uma coisa esquisita demais. Como Jesus não disse isso em símbolo, os judeus entenderam verdadeira e concretamente que era para comer a Carne e o Sangue d'Ele. O que eles não eram capazes de entender ainda é que era falado do Corpo glorioso de Jesus, exatamente o que recebemos na comunhão, Jesus inteiro, mas com o Corpo glorioso. 

Ouça esta pregação

Os judeus entenderam que era realmente sobre [comer] o Corpo e o Sangue que Jesus estava falando, mas o interessante é que o Senhor não volta atrás quando alguém não acreditava nem fica dando explicações. Pelo contrário, Ele deu um passo a mais “Jesus disse: 'Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem consome a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Pois minha carne é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida'” (Jo 6,53-55). 

É simples? Como explicar isso? É um mistério. Assim como o Senhor criou todas as coisas, por que não poderia possuir o pão e o vinho como fez na Última Ceia? Ele continua vivo, Ele está no meio de nós. Na verdade, Jesus Cristo assume e possui o pão e vinho para que Ele esteja ali no Seu Corpo glorioso. Não O vemos presente ali porque ainda não somos um corpo glorioso e só um corpo glorioso consegue ver outro [corpo glorioso]. 

Você comunga na Santa Missa, mas Jesus permanece com você durante todo o seu dia. Verdadeiro Corpo e Sangue quer dizer verdadeiro Corpo e Sangue! A lógica está aí. A Eucaristia acabará unindo os cristãos. A Igreja verdadeira de Jesus é a Igreja da qual Pedro é a pedra. Estou falando isso como irmão, não desprezo os evangélicos de maneira nenhuma. Mas digo aos que já foram católicos e têm saudade imensa da Eucaristia que voltem porque sua Igreja está à sua espera.

O que nos une é muito maior do que aquilo que nos separa.

(Palestra de monsenhor Jonas Abib 27/04/2007)

Caridade é "dom de si aos demais", não filantropia, afirma Papa

Leonardo Meira
Da Redação CN


''Cada católico, na verdade cada homem, está chamado a atuar com consciência purificada'', afirma Bento XVI
Papa Bento XVI recebeu em audiência os participantes da19ª Assembleia Geral da Cáritas Internacional na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, às 12h (hora local).
"Para nós, os cristãos, Deus mesmo é a fonte da caridade, e a caridade deve-se entender não somente como uma filantropia genérica, mas como dom de si, inclusive até o sacrifício da própria vida em favor dos demais, imitando o exemplo de Cristo. A Igreja prolonga no tempo e no espaço a missão salvadora de Cristo: quer chegar a todo ser humano, movida pelo desejo de que cada pessoa chegue a conhecer que nada pode separá-la do amor de Cristo", enfatizou.

O encontro acontece no marco dos 60 anos da criação 
do organismo que busca favorecer a comunhão entre a Igreja universal e as Igrejas particulares, bem como a comunhão entre todos os fiéis no exercício da caridade.

"Somente sobre as bases de um compromisso cotidiano de acolher e viver plenamente o amor de Deus pode-se promover a dignidade de cada ser humano. [...] Cada católico, na verdade cada homem, está chamado a atuar com consciência purificada e com coração generoso para promover de maneira decidida aqueles valores definidos continuamente como "não negociáveis", asinalou.

Acesse
.: NA ÍNTEGRA: Discurso de Bento XVI na Assembleia da Cáritas


Bento XVI recordou que 
Pio XII quis mostrar a solidariedade e a preocupação de toda a Igreja diante de tantas situações de conflito e emergência após os horrores e devastações da Segunda Guerra Mundial, criando assim a Cáritas Internacional. Mais tarde, o Beato João Paulo II fortaleceu os vínculos entre as diferentes agências nacionais da Caritas, e entre essas e a Santa Sé, outorgando à Caritas Internationalis a personalidade jurídica canônica pública.

"Como consequência disso, Caritas Internationalis adquiriu um papel particular no coração da comunidade eclesial, e foi chamada a compartilhar, em colaboração com a hierarquia eclesiástica, da missão da Igreja de manifestar, através da caridade vivida, esse amor que é Deus mesmo. Desse modo, Caritas Internationalis, dentro da finalidade própria que tem assinalada, executa em nome da Igreja uma tarefa específica em favor do bem comum".
Nesse sentido, a Santa Sé tem o dever de acompanhar a atividade da Cáritas e de vigiar para que suas ações estejam em plena sintonia com a Sé Apostólica e com o Magistério da Igreja. "Essa identidade distintiva é a força daCaritas Internationalis, e é o que faz a sua atividade particularmente eficaz. [...] Sem um fundamento transcendente, sem una referência a Deus criador, sem a consideração de nosso destino terreno, corremos o risco de cair nas mãos de ideologias daninhas", afirmou.

A Cáritas é distinta de outras agências sociais porque é um organismo eclesial, que compartilha a missão da Igreja. O Papa indicou que o organismo está chamado a oferecer sua própria contribuição para levar a mensagem da Igreja à vida política e social no plano internacional.

Nesse sentido, deve-se observar que a Cáritas está constituída fundamentalmente por várias Caritas nacionais, e todas são um auxílio privilegiado para os bispos em seu exercício da caridade.

"Isso comporta uma especial responsabilidade eclesial: a de deixar-se guiar pelos Pastores da Igreja. [A Cáritas] e
stá chamada, portanto, a trabalhar para converter os corações a uma maior abertura aos demais, para que cada um, em pleno respeito de sua própria liberdade e no pleno assumir das próprias responsabilidades pessoais, possa agir sempre e em todas as partes em favor do bem comum, oferecendo generosamente o melhor de si mesmo ao serviço dos irmãos e irmãs, em particular os mais necessitados", encerrou.


Diretoria

Nesta quinta-feira, 26, a Assembleia Geral da Cártias aprovou a eleição de Michel Roy como novo Secretário Geral para os próximos quatro anos. Ele é atualmente
 diretor do Departamento Internacional da Secours Catholique(Cáritas França) e sucede no cargo a Lesley-Anne Knight, que ocupou a função no período 2007-2011.

O Arcebispo de Tegucigalpa (Honduras), Cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga, foi reeleito presidente do organismo na terça-feira, 24, também para os próximos quatro anos.


Assista ao vídeo institucional dos 60 anos da Cáritas, intitulado Una familia humana, pobreza cero


Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...