Pesquisar este blog

Compartilhe



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

EVANGELHO QUOTIDIANO - Quarta-feira, dia 25 de Fevereiro de 2009


Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna. João 6, 68


Quarta-feira, dia 25 de Fevereiro de 2009

QUARTA-FEIRA DE CINZAS


Hoje a Igreja celebra : S. Sebastião de Aparício, leigo, confessor, +1600

Ver comentário em baixo, ou carregando aqui
Papa Bento XVI: «Suplicamo-vos, pois, em nome de Cristo: reconciliai-vos com Deus» (2Cor 5, 20)


Livro de Joel 2,12-18.

Mas agora, diz o Senhor, convertei-vos a mim de todo o vosso coração com jejuns, com lágrimas, com gemidos. Rasgai os vossos corações e não as vossas vestes, convertei-vos ao Senhor, vosso Deus, porque Ele é clemente e compassivo, paciente e rico em misericórdia. Quem sabe? Talvez Ele mude de ideia e volte atrás, deixando, ao passar, alguma bênção, para oferenda e libação ao Senhor vosso Deus! Tocai a trombeta em Sião, ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni o povo, purificai a assembleia, juntai os anciãos, congregai os pequeninos e os meninos de peito. Saia o esposo dos seus aposentos e a esposa do seu tálamo nupcial. Entre o pórtico e o altar chorem os sacerdotes, e digam os ministros do Senhor: «Tem piedade do teu povo, Senhor, não transformes em ignomínia a tua herança, para que ela não se torne o escárnio dos povos! Porque diriam: ‘Onde está o seu Deus?’» O Senhor encheu-se de zelo pelo seu país e teve compaixão do seu povo.


2ª Carta aos Coríntios 5,20-21.6,1-2.

É em nome de Cristo, portanto, que exercemos as funções de embaixadores e é Deus quem, por nosso intermédio, vos exorta. Em nome de Cristo suplicamo-vos: reconciliai-vos com Deus. Aquele que não havia conhecido o pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nos tornássemos, nele, justiça de Deus. E como seus colaboradores, exortamo-vos a não receber em vão a graça de Deus. Pois Ele diz: No tempo favorável, ouvi-te e, no dia da salvação, vim em teu auxílio. É este o tempo favorável, é este o dia da salvação.


Evangelho segundo S. Mateus 6,1-6.16-18.

«Guardai-vos de fazer as vossas boas obras diante dos homens, para vos tornardes notados por eles; de outro modo, não tereis nenhuma recompensa do vosso Pai que está no Céu. Quando, pois, deres esmola, não permitas que toquem trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, a fim de serem louvados pelos homens. Em verdade vos digo: Já receberam a sua recompensa. Quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua direita, a fim de que a tua esmola permaneça em segredo; e teu Pai, que vê o oculto, há-de premiar-te.» «Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando orares, entra no quarto mais secreto e, fechada a porta, reza em segredo a teu Pai, pois Ele, que vê o oculto, há-de recompensar-te. «E, quando jejuardes, não mostreis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto para que os outros vejam que eles jejuam. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, para que o teu jejum não seja conhecido dos homens, mas apenas do teu Pai que está presente no oculto; e o teu Pai, que vê no oculto, há-de recompensar-te.»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por :

Papa Bento XVI
Audiência Geral de 06/02/08 (trad. DC 2398, p. 260 © copyright Libreria Editrice Vaticana)

«Suplicamo-vos, pois, em nome de Cristo: reconciliai-vos com Deus» (2Cor 5, 20)


Originariamente, na Igreja primitiva, a Quaresma era o tempo privilegiado em que os catecúmenos se preparavam para os sacramentos do Baptismo e da Eucaristia, que eram celebrados na Vigília da Páscoa. A Quaresma era considerada um tempo do devir cristão, que não se realizava apenas num momento, mas exigia um longo percurso de conversão e de renovação. A esta preparação uniam-se também as pessoas já baptizadas, revivendo a lembrança do Sacramento recebido, e dispondo-se para uma renovada comunhão com Cristo na jubilosa celebração da Páscoa. Assim a Quaresma tinha, e ainda hoje conserva, a índole de um itinerário baptismal, no sentido em que ajuda a manter viva a consciência de que o ser cristão se realiza sempre como um novo devir cristão: nunca é uma história concluída, que se encontra no nosso passado, mas um caminho que exige sempre um exercício renovado.

Ao impor-nos as cinzas sobre a cabeça, o celebrante diz: «Recorda-te de que és pó e ao pó voltarás» (cf. Gn 3, 19), ou então repete a exortação de Jesus: «Arrependei-vos e acreditai no Evangelho» (Mc 1, 15). Ambas as fórmulas constituem uma exortação à verdade da existência humana: somos criaturas limitadas, pecadores sempre necessitados de penitência e de conversão. Como é importante ouvir e aceitar esta exortação nesta nossa época! Quando proclama a sua autonomia total de Deus, o homem contemporâneo torna-se escravo de si mesmo e encontra-se muitas vezes numa solidão desconsolada. Então, o convite à conversão é um impulso a voltarmos aos braços de Deus, Pai terno e misericordioso, a termos confiança nEle e a confiarmo-nos a Ele como filhos adoptivos, regenerados pelo Seu amor. Com pedagogia sábia, a Igreja repete que a conversão é antes de tudo uma graça, uma dádiva que abre o coração à infinita bondade de Deus. É Ele mesmo Quem antecipa, com a sua graça, o nosso desejo de conversão e acompanha os nossos esforços em vista da plena adesão à Sua vontade salvífica. Assim, converter-se significa deixar-se conquistar por Jesus (cf. Fil 3, 12) e, com Ele, «voltar» ao Pai. Por conseguinte, a conversão exige que nos ponhamos humildemente na escola de Jesus e caminhemos no seguimento dócil dos Seus passos.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

domingo, 22 de fevereiro de 2009

EVANGELHO QUOTIDIANO - Domingo, dia 22 de Fevereiro de 2009


Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna. João 6, 68


Domingo, dia 22 de Fevereiro de 2009

7º Domingo do Tempo Comum - Ano B


Sétimo Domingo do Tempo Comum (semana II do saltério)
Hoje a Igreja celebra : Cadeira de São Pedro, Beato Diogo Carvalho, presbítero, mártir, +1624

Ver comentário em baixo, ou carregando aqui
São João Crisóstomo : «Por que fala assim?»


Livro de Isaías 43,18-19.21-22.24-25.

«Não vos lembreis dos acontecimentos de outrora, não penseis mais no passado, pois vou realizar algo de novo, que já está a aparecer: não o notais? Vou abrir um caminho no deserto, e fazer correr rios na estepe. o povo que Eu formei para mim, e assim hão-de proclamar os meus louvores.» «Mas tu, Jacob, não era a mim que invocavas, não era por mim que te esforçavas, Israel. Não me compravas canela com dinheiro nem me satisfazias com a gordura das tuas vítimas, antes, me atormentavas com os teus pecados, e me cansavas com as tuas iniquidades. Eu, porém, é que apagava as tuas faltas, por mim, não me lembrava dos teus pecados.


2ª Carta aos Coríntios 1,18-22.

Mas Deus é testemunha de que a nossa palavra dirigida a vós não é «sim» e «não.» Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, aquele que foi por nós anunciado entre vós, por mim, por Silvano e por Timóteo, não foi um «sim» e um «não», mas unicamente um «sim.» Nele todas as promessas de Deus se tornaram «sim» e é por isso que, graças a Ele, nós podemos dizer o «ámen» para glória de Deus. Aquele que nos confirma juntamente convosco em Cristo e nos dá a unção é Deus, Ele que nos marcou com um selo e colocou em nossos corações o penhor do Espírito.


Evangelho segundo S. Marcos 2,1-12.

Dias depois, tendo Jesus voltado a Cafarnaúm, ouviu-se dizer que estava em casa. Juntou-se tanta gente que nem mesmo à volta da porta havia lugar, e anunciava-lhes a Palavra. Vieram, então, trazer-lhe um paralítico, transportado por quatro homens. Como não podiam aproximar-se por causa da multidão, descobriram o tecto no sítio onde Ele estava, fizeram uma abertura e desceram o catre em que jazia o paralítico. Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico: «Filho, os teus pecados estão perdoados.» Ora estavam lá sentados alguns doutores da Lei que discorriam em seus corações: «Porque fala este assim? Blasfema! Quem pode perdoar pecados senão Deus?» Jesus percebeu logo, em seu íntimo, que eles assim discorriam; e disse-lhes: «Porque discorreis assim em vossos corações? Que é mais fácil? Dizer ao paralítico: 'Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: 'Levanta-te, pega no teu catre e anda’? Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar os pecados, Eu te ordeno disse ao paralítico: levanta-te, pega no teu catre e vai para tua casa.» Ele levantou-se e, pegando logo no catre, saiu à vista de todos, de modo que todos se maravilhavam e glorificavam a Deus, dizendo: «Nunca vimos coisa assim!»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por :

São João Crisóstomo (cerca de 345-407), presbítero em Antioquia e depois Bispo de Constantinopla, Doutor da Igreja
Homilias sobre São Mateus, n° 29

«Por que fala assim?»


Os doutores da Lei diziam: «Blasfema! Quem pode perdoar pecados senão Deus?» Qual é a resposta do Salvador? Terá desaprovado o que diziam? Se Ele não fosse igual a Deus, deveria ter-lhes dito: «Por que me atribuís uma tal pretensão?» [...] Mas não disse nada disso; pelo contrário, confirmou esta afirmação dos seus inimigos. Dar testemunho de si mesmo levanta suspeitas; é melhor que a verdade seja apoiada por outros, que não apenas os seus amigos, mas é ainda melhor se o for pelos seus inimigos. [...] O nosso Mestre tinha demonstrado a Sua força junto dos Seus amigos quando dissera ao leproso: «Quero, fica purificado» (Mc 1,41) e ao centurião: «Não encontrei ninguém em Israel com tão grande fé!» (Mt 8,10). Agora, faz com que sejam os seus inimigos a testemunhar [...].

Mas há aqui, ainda, um outro testemunho da divindade de Jesus Cristo, do facto de Ele ser igual ao Pai. Não somente porque apenas Deus pode perdoar os pecados, mas ainda porque só Ele pode penetrar os pensamentos secretos dos corações. Aqui está escrito: «Jesus percebeu logo, em seu íntimo, que eles assim discorriam; e disse-lhes: «Por que discorreis assim em vossos corações?»» O profeta escreve: «Só Tu conheces o coração dos homens» (2Cr 6,30); «Tu, que perscrutas o íntimo dos corações» (Sl 7,10) [...]; «o homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração» (1Sm 16,7). Ao mesmo tempo, Cristo dá uma nova prova da sua ternura: «Por que discorreis [o mal] nos vossos corações?» [...]

«Que vos parece mais fácil: curar um corpo enfermo ou perdoar os pecados de uma alma? A alma é mais elevada; as suas doenças são mais difíceis de curar. Mas, como essa cura é invisível, farei, sob os vossos olhos, uma cura visível, embora menos importante» [...]. Assim, Jesus faz levantar o paralítico e manda-o voltar para casa [...]. Parece dizer-lhe: «Através daquilo que te aconteceu, Eu gostaria de curar estas pessoas, que parecem de boa saúde, mas que, na realidade, têm a alma doente. Mas, visto que não querem, vai tu para tua casa; pelo menos lá, a tua cura dará frutos.»

sábado, 7 de fevereiro de 2009

EVANGELHO QUOTIDIANO - Domingo, dia 08 de Fevereiro de 2009

Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna. João 6, 68

* Domingo, dia 8 de Fevereiro de 2009
5º Domingo do Tempo Comum - Ano B

Quinto Domingo do Tempo Comum (semana IV do saltério)
Hoje a Igreja celebra : S. Jerónimo Emiliano, presbítero, +1537, Santa Josefina Bakhita, religiosa, +1947



Comentário ao Evangelho do dia feito por : São Jerónimo
«Jesus tomou-a pela mão e levantou-a»


Livro de Job 7,1-4.6-7.

«A vida do homem sobre a terra, não é ela uma luta? Não são os seus dias como os de um assalariado?
Como um escravo suspira pela sombra, e o jornaleiro espera o seu salário,
assim eu tive por quinhão meses de sofrimento, e couberam-me em sorte noites cheias de dor.
Se me deito, digo: ‘Quando chegará o dia?’ Se me levanto: ‘Quando virá a tarde?’ E encho-me de angústia até chegar a noite.
Os meus dias passam mais rápido que a lançadeira e desaparecem sem deixar esperança.
Lembra-te de que a minha vida é um sopro, e os meus olhos não voltarão a ver a felicidade.


Livro de Salmos 147(146),1-2.3-4.5-6.

Louvai o SENHOR, porque é bom cantar! É agradável e é justo louvar o nosso Deus.
SENHOR restaura Jerusalém e reúne os dispersos de Israel.
Ele cura os de coração atribulado e trata-lhes as feridas!
Ele fixa o número das estrelas e chama a cada uma pelo seu nome.
Grande e poderoso é o nosso Deus; a sua sabedoria não tem limites.
SENHOR ampara os humildes, mas abate os malfeitores até ao chão.


1ª Carta aos Coríntios 9,16-19.22-23.

Porque, se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta: ai de mim, se eu não evangelizar!
Se o fizesse por iniciativa própria, mereceria recompensa; mas, não sendo de maneira espontânea, é um encargo que me está confiado.
Qual é, portanto, a minha recompensa? É que, pregando o Evangelho, eu faço-o gratuitamente, sem me fazer valer dos direitos que o seu anúncio me confere.
De facto, embora livre em relação a todos, fiz-me servo de todos, para ganhar o maior número.
Fiz-me fraco com os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para salvar alguns a qualquer custo.
E tudo faço por causa do Evangelho, para dele me tornar participante.


Evangelho segundo S. Marcos 1,29-39.

Saindo da sinagoga, foram para casa de Simão e André, com Tiago e João.
A sogra de Simão estava de cama com febre, e logo lhe falaram dela.
Aproximando-se, tomou-a pela mão e levantou-a. A febre deixou-a e ela começou a servi-los.
À noitinha, depois do sol-pôr, trouxeram-lhe todos os enfermos e possessos,
e a cidade inteira estava reunida junto à porta.
Curou muitos enfermos atormentados por toda a espécie de males e expulsou muitos demónios; mas não deixava falar os demónios, porque sabiam quem Ele era.
De madrugada, ainda escuro, levantou-se e saiu; foi para um lugar solitário e ali se pôs em oração.
Simão e os que estavam com Ele seguiram-no.
E, tendo-o encontrado, disseram-lhe: «Todos te procuram.»
Mas Ele respondeu-lhes: «Vamos para outra parte, para as aldeias vizinhas, a fim de pregar aí, pois foi para isso que Eu vim.»
E foi por toda a Galileia, pregando nas sinagogas deles e expulsando os demónios.

Da Bíblia Sagrada




São Jerónimo (347-420), presbítero, tradutor da Bíblia, Doutor da Igreja
Comentário sobre o evangelho de São Marcos, 2; PLS 2, 125 ss (trad. DDB 1986, p. 52)

«Jesus tomou-a pela mão e levantou-a»

«Aproximando-Se, Jesus tomou-a pela mão e levantou-a.» Com efeito, esta doente não conseguia levantar-se sozinha; estando acamada, não conseguia ir ao encontro de Jesus. Mas este médico misericordioso aproximou-Se da cama dela. Aquele que havia trazido uma ovelha doente aos ombros (Lc 15, 5) aproxima-Se agora desta cama. [...] Ele aproxima-se sempre mais, para curar ainda mais. Reparem bem no que está escrito aqui [...]: «Tu devias certamente ter vindo ao Meu encontro, ter vindo acolher-Me à porta da tua casa; mas então a tua cura não resultaria tanto da Minha misericórdia, mas da tua vontade. Uma vez que uma febre tão forte te oprime e te impede de te levantares, Eu próprio venho ter contigo.»

«E levantou-a». Como ela não se conseguia erguer sozinha, é o Senhor que a levanta. «Ele tomou-a pela mão e levantou-a.» Quando Pedro se encontrava em perigo no mar, no momento em que ia afogar-se, também ele foi tomado pela mão e se levantou. [...] Que bela marca de amizade e de afeição por esta doente! Ele levanta-a tomando-a pela mão; a Sua mão curou a mão da doente. Ele pegou nesta mão como o teria feito um médico, que toma o pulso e avalia o grau de febre, Ele que é simultaneamente médico e remédio. Jesus toca-lhe e a febre desaparece.

Desejemos que Ele toque na nossa mão para que, assim, os nossos actos sejam purificados. Que Ele entre em nossa casa: levantemo-nos da nossa cama, não fiquemos deitados. Jesus encontra-Se à nossa cabeceira e nós permanecemos deitados? Vamos lá, levantemo-nos! [...] «No meio de vós encontra-se Alguém que não conheceis» (Jn 1, 26); «o Reino de Deus está dentro de vós» (Lc 17, 21). Tenhamos fé e veremos Jesus presente no meio de nós.

EVANGELHO QUOTIDIANO - Sabado, dia 07 de Fevereiro de 2009


Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna. João 6, 68


Sabado, dia 07 de Fevereiro de 2009

Cinco Chagas do Senhor (Festa)


As Cinco Chagas do Senhor (festa em Portugal)
Hoje a Igreja celebra : Beata Eugénia Smet (Madre Maria da Providência), religiosa. +1871

Ver comentário em baixo, ou carregando aqui
São Bernardo : «Tirareis com alegria água das fontes da salvação»


Livro de Isaías 53,1-10.

Quem acreditou no nosso anúncio? A quem foi revelado o braço do SENHOR? O servo cresceu diante do SENHOR como um rebento, como raiz em terra árida, sem figura nem beleza. Vimo-lo sem aspecto atraente, desprezado e abandonado pelos homens, como alguém cheio de dores, habituado ao sofrimento, diante do qual se tapa o rosto, menosprezado e desconsiderado. Na verdade, ele tomou sobre si as nossas doenças, carregou as nossas dores. Nós o reputávamos como um leproso, ferido por Deus e humilhado. Mas foi ferido por causa dos nossos crimes, esmagado por causa das nossas iniquidades. O castigo que nos salva caiu sobre ele, fomos curados pelas suas chagas. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas perdidas, cada um seguindo o seu caminho. Mas o SENHOR carregou sobre ele todos os nossos crimes. Foi maltratado, mas humilhou-se e não abriu a boca, como um cordeiro que é levado ao matadouro, ou como uma ovelha emudecida nas mãos do tosquiador. Sem defesa, nem justiça, levaram-no à força. Quem é que se preocupou com o seu destino? Foi suprimido da terra dos vivos, mas por causa dos pecados do meu povo é que foi ferido. Foi-lhe dada sepultura entre os ímpios, e uma tumba entre os malfeitores, embora não tenha cometido crime algum, nem praticado qualquer fraude. Mas aprouve ao SENHOR esmagá-lo com sofrimento, para que a sua vida fosse um sacrifício de reparação. Terá uma posteridade duradoura e viverá longos dias, e o desígnio do SENHOR realizar-se-á por meio dele.


Evangelho segundo S. João 19,28-37.

Depois disso, Jesus, sabendo que tudo se consumara, para se cumprir totalmente a Escritura, disse: «Tenho sede!» Havia ali uma vasilha cheia de vinagre. Então, ensopando no vinagre uma esponja fixada num ramo de hissopo, chegaram-lha à boca. Quando tomou o vinagre, Jesus disse: «Tudo está consumado.» E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. Como era o dia da Preparação da Páscoa, para evitar que no sábado ficassem os corpos na cruz, porque aquele sábado era um dia muito solene, os judeus pediram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. Os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e também ao outro que tinha sido crucificado juntamente. Mas, ao chegarem a Jesus, vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. Porém, um dos soldados traspassou-lhe o peito com uma lança e logo brotou sangue e água. Aquele que viu estas coisas é que dá testemunho delas e o seu testemunho é verdadeiro. E ele bem sabe que diz a verdade, para vós crerdes também. É que isto aconteceu para se cumprir a Escritura, que diz: Não se lhe quebrará nenhum osso. E também outro passo da Escritura diz: Hão-de olhar para aquele que trespassaram.


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por :

São Bernardo (1091-1153), monge cisterciense e Doutor da Igreja
Homilias sobre o Cântico dos Cânticos, nº 61, 3-5

«Tirareis com alegria água das fontes da salvação»


Onde poderá a nossa fragilidade encontrar repouso e segurança, a não ser nas chagas do Salvador? [...] Trespassaram-Lhe as mãos e os pés, e o lado com um golpe de lança. Destas três chagas abertas jorrou o mel dos rochedos que me sacia (Sl 80, 17) e o óleo que corre sobre a dura pedra e me permite «saborear e ver como é bom o Senhor» (Sl 33, 9). Ele formava desígnios de prosperidade (Jer 29, 11) e eu não sabia. «Pois quem conheceu o pensamento do Senhor? Ou quem foi o Seu conselheiro?» (Rom, 11, 34). Mas a lança que Nele penetrou veio a ser para mim a chave que abriu o mistério dos Seus desígnios.

Como posso deixar de ver por estas aberturas? Os pregos e as chagas clamam que, na pessoa de Cristo, Deus Se reconcilia verdadeiramente com o mundo. O ferro trespassou-Lhe a carne e tocou-Lhe o coração, a fim de que Ele Se compadecesse das minhas fraquezas. O segredo do Seu coração aparece a nu nas chagas do Seu corpo; vemos a descoberto o grande mistério da Sua bondade, dessa misericordiosa ternura do nosso Deus, dessa luz que veio visitar-nos do alto (Lc 1, 78). E como pode semelhante ternura não se manifestar nas Suas chagas? Como haverias de mostrar com mais clareza do que através das chagas que Tu, Senhor, és doce e compassivo e de grande misericórdia, uma vez que não há maior amor do que dar a vida (Jo 15, 13) por condenados à morte?

O meu mérito reside pois, todo ele, na piedade do Senhor, e não me faltará o mérito enquanto Lhe não faltar a piedade. Se as misericórdias do Senhor se multiplicarem, numerosos serão os meus méritos. E que me acontecerá, se tiver de me acusar de múltiplas faltas? «Onde abundou o pecado, superabundou a graça» (Rom 5, 20). E, se «a graça do Senhor dura para sempre» (Sl 102, 17), por mim, «hei-de cantar para sempre o amor do Senhor» (Sl 88, 2). É essa a minha justiça? Senhor, só da Tua justiça me recordarei; é ela a minha justiça, pois Tu Te tornaste para mim justiça de Deus (Rom 1, 17).

Fonte:

www.evangelhoquotidiano.org

Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...